Para os mais distraídos, a reação ao sorteio dos 16 avos de final da Liga Europa desta segunda-feira será algo como outra vez o Galatasaray? E, para os turcos mais distraídos, a reação ao veredito que surgiu das mãos de Ricardo Carvalho durante o sorteio será uma espécie de outra vez Portugal? É que, parecendo que não, os turcos do clube do lado europeu de Istambul viajaram até ao Porto no passado mês de outubro e receberam o conjunto de Sérgio Conceição na Turquia apenas na passada terça-feira. Agora, menos de uma semana depois desse último jogo da fase de grupos da Liga dos Campeões com o FC Porto, o Galatasaray ficou a saber que vai encontrar o Benfica nos 16 avos de final da Liga Europa.

Sporting encontra o Villarreal e Benfica defronta o Galatasaray nos 16 avos de final da Liga Europa

Contra os dragões, as coisas não correram da melhor forma: o FC Porto venceu os dois jogos com o Galatasaray, 1-0 em casa e 2-3 em Istambul. Os turcos ficaram na terceira posição no Grupo D, com 4 pontos (uma vitória, um empate e quatro derrotas), mais um do que o último Lokomotiv Moscovo, e entraram no sorteio desta segunda-feira sem o estatuto de cabeça de série, já que não foram um dos quatro melhores terceiros da fase de grupos da Champions. A campanha da equipa orientada por Fatih Terim até começou bem, com uma convincente vitória por 3-0 frente ao Lokomotiv Moscovo e um empate a zeros com o Schalke 04 na Alemanha, mas as derrotas no Dragão, em Moscovo e em casa com os alemães ditaram o destino do Galatasaray.

Os turcos, campeões em título na Turquia, depois de um hiato de três anos em que não conseguiram conquistar o Campeonato, estão atualmente na 5.ª posição da classificação (com os mesmos pontos de Besiktas, Trabzonspor, Kasimpasa e Antalyaspor), a oito pontos do líder Basaksehir. O Galatasaray viu Nagatomo chegar do Inter durante o mercado de verão para ocupar o lado esquerdo da defesa, juntando-se aos brasileiros Maicon, Mariano e Fernando, ao marroquino Belhanda, ao argelino Feghouli ou ao internacional suíço Derdiyok no lote de ameaças a ter em conta pelo Benfica. O cruzamento com os encarnados promove então o regresso de Maicon e Fernando, ambos ex-FC Porto, ao Estádio da Luz e a Lisboa. Os dois brasileiros, tricampeões pelos azuis e brancos entre 2010 e 2013 – os anos imediatamente antes do tetra do Benfica –, são habitualmente titulares e opções primordiais do treinador Fatih Terim.

Fernando Muslera, experiente guarda-redes uruguaio, é o dono das redes do Galatasaray. O sul-americano que esteve quatro anos ao serviço da Lazio antes de rumar à Turquia estava no onze inicial da seleção uruguaia que eliminou Portugal nos oitavos de final do último Mundial: viu Cavani bisar e consentiu o golo de cabeça de Pepe que ainda deixou os portugueses a acreditar numa possível passagem aos quartos. Dos onze da Seleção Nacional que enfrentaram o Uruguai a 30 de junho, nenhum joga no Benfica – é preciso ir ao banco de Fernando Santos para encontrar Rúben Dias, habitual titular dos encarnados no eixo da defesa, ao lado de Jardel. Muslera é, por isso, companheiro de seleção do portista Maxi Pereira, que defrontou nos dois jogos da fase de grupos da Champions, do sportinguista Sebastián Coates (que ficou esta segunda-feira a saber que encontrará o Villarreal nos 16 avos da Liga Europa) e do ex-Benfica Cristián Rodríguez.

Portugueses e turcos cruzaram-se na fase de grupos da Liga dos Campeões em 2015/16

Na equipa técnica, Fatih Terim conta com a experiência de um campeão do mundo. Cláudio Taffarel, guarda-redes da seleção brasileira de Bebeto, Dunga e Romário que venceu o Mundial dos Estados Unidos em 1994, é o treinador dos guarda-redes do Galatasaray e um trunfo importante na comunicação do treinador turco com os três brasileiros do plantel. Taffarel, de 52 anos, representou a equipa turca numa fase final a carreira, antes de pendurar as botas ao serviço dos italianos do Parma, e fez parte do conjunto que conquistou seis grandes troféus em três anos, incluindo duas ligas turcas, uma Taça UEFA e uma Supertaça Europeia. Na final da Taça UEFA 1999/00, o Galatasaray bateu o Arsenal na decisão por grandes penalidades depois de um empate a zeros ao fim de 120 minutos: Davor Suker e Patrick Vieira falharam os respetivos penáltis e Cláudio Taffarel foi considerado o Homem do Jogo.

Galatasaray e Benfica reencontram-se nos 16 avos de final da Liga Europa três anos depois de se terem cruzado durante a fase de grupos da Liga dos Campeões 2015/16. Na altura, num Grupo C que contava ainda com Atl. Madrid e Astana, os encarnados perderam na Turquia por 2-1 (marcaram Inan, de penálti, Podolski e Nico Gaitán) e venceram em casa pelo mesmo resultado (com golos de Jonas, Luisão e Podolski). No final dos seis jogos, o Benfica somou dez pontos e seguiu para os oitavos de final em conjunto com o Atl Madrid; o Galatasaray ficou em terceiro, com cinco pontos, e foi despromovido à Liga Europa. Antes disso, numa fase de grupos de má memória para os portugueses, os encarnados perderam em casa com os turcos (0-2, um golo de Asik e outro de Karan) em jogo a contar para o Grupo B da Taça UEFA 2008/09 — no final dos quatro jogos, o Benfica ficou no último lugar com apenas um ponto conquistado, ao passo que o Galatasaray passou à fase seguinte, na segunda posição, com nove pontos.

Os encarnados, finalistas vencidos da competição em 1983 (ainda no formato anterior), 2013 e 2014, defrontam os turcos, vencedores da edição de 2000. A favor dos comandados por Rui Vitória está a história: o Benfica eliminou sempre os adversários turcos nas competições europeias.