Vaidades

As botas holográficas de Michelle Obama são um “statement”

269

Michelle Obama apareceu diante de uma plateia com um par de botas-collant holográficas e brilhantes que captaram as redes sociais e a imprensa internacional. A ex-primeira-dama marcou pela diferença.

“Agora, Michelle Obama pode usar o que quiser. E o que ela quer são botas brilhantes de cano alto”, escreve-se no Washington Post. A afirmação está diretamente relacionada com o par de botas-collant extravagante que a ex-primeira-dama dos Estados Unidos da América escolheu usar esta quinta-feira, em mais uma apresentação do livro de memórias “Becoming” lançado em novembro.

A mulher de Barack Obama apareceu num evento no Barclays Center de Brooklyn, em Nova Iorque, vestida pela Balenciaga de alto a baixo: e a fazer companhia ao vestido-camisa amarelo com uma abertura significativa, criação da coleção de primavera para 2019, estava o par de botas coberto de glitter com efeito holográfico, no valor de mais de 4.300 euros (da coleção de primavera de 2018). As botas justas e longas apanharam todos de surpresa — apesar de ser conhecido que Michelle Obama sempre teve olho para a moda, a ex-primeira-dama habituou-nos a looks mais clássicos do que aquele apresentado na quinta-feira.

A crítica de moda Robin Givhan relembra, no jornal já citado, que em tempos Michelle Obama mostrou-se incomodada por ser apelidada de celebridade, uma realidade que agora estará certamente em vias de extinção. É precisamente a condição de ex-primeira-dama que faz do look escolhido por Michelle para ser entrevistada pela atriz Sarah Jessica Parker — ironicamente mais conhecida pelo papel de jornalista obcecada por sapatos na série “Sexo e a Cidade” — seja notícia.

A isso a publicação People acrescenta que a norte-americana teve um surpreendente momento de moda com grande apoio nas redes sociais. As regras da Casa Branca há muito que caíram por terra. Agora é a vez da estilista de Michelle Obama, Meredith Koop, divertir-se um pouco.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)