Rádio Observador

Pinto da Costa

Pinto da Costa passa 37.º aniversário na presidência do FC Porto e é líder pela 27.ª ocasião

2.462

Pinto da Costa cumpre 81 anos, naquele que é o 37.º aniversário como líder do FC Porto. Pela 27.ª vez, os dragões lideram Liga. E foram sempre campeões com quatro ou mais pontos de avanço como agora.

Pinto da Costa apresentou Sérgio Conceição tendo como fundo o triunfo na Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1987 com o Bayern

AFP/Getty Images

“Nenhum de nós, não sou só eu, sabe o dia de amanhã. Hoje estamos aqui, amanhã podemos não estar, espero que estejamos todos, mas tenho para mim que estou a cumprir uma missão e, enquanto quiser e puder, enquanto me sentir feliz e pensar que posso contribuir para a felicidade dos outros manter-me-ei. Agora, é óbvio que daqui a 20 anos não estarei cá, venho-vos visitar cá de vez em quando só para vos assustar”, atirava de forma irónica Jorge Nuno Pinto da Costa, presidente do FC Porto, à margem do jantar de Natal da Comissão de Honra de Apoio à Candidatura do líder azul e branco. O grande símbolo dos dragões chegou a número 1 em agosto de 1982, com 44 anos, quando ninguém perspetivava que tivesse tamanha longevidade; agora, aos 81 anos, cumpre o 37.º aniversário nesse posto, de novo na frente do Campeonato. De forma mais específica, pela 27.ª vez na frente.

O presidente com maior longevidade no cargo, que superou no ano passado a mítica marca do maior símbolo do Real Madrid, Santiago Bernabéu, quando ultrapassou a marca dos 12.684 dias na liderança do FC Porto, conquistou no seu reinado 83,3% dos títulos conseguidos pelos azuis e brancos no futebol (60 em 72, entre os quais as sete competições internacionais do currículo dos dragões) mas teve neste último ano um dos mais importantes ao longo dos sucessivos mandatos, ao acertar na aposta em Sérgio Conceição para recuperar a mística do clube e quebrar a série de quatro títulos consecutivos do rival Benfica.

Agora, com o ex-técnico do Nantes no comando, volta a celebrar um aniversário na liderança do Campeonato. E foram poucas as vezes em que, nesse contexto, não se sagrou campeão – apenas seis das 26 ocasiões não deram título. Com uma outra particularidade: desde 1982 que o FC Porto, chegando a 28 de dezembro na frente da principal prova nacional com três ou mais pontos de avanço, foi sempre campeão. Agora, no final da 14.ª jornada, os dragões lideram com mais quatro do que o Benfica e mais cinco do que o Sporting, que perdeu em Guimarães e caiu por isso para a terceira posição.

Num outro dado curioso, o jornal O Jogo fez esta sexta-feira as contas aos quilómetros percorridos pelo presidente portista em todas as deslocações oficiais na liderança do clube, desde Utrecht, onde se estreou em setembro de 1982, a Istambul, onde os azuis e brancos defrontaram o Galatasaray no fecho da fase de grupos da Champions da presente temporada. Conclusão? Cerca de 700 mil quilómetros de viagens fora de Portugal durante 36 anos, que quase dava para ir à Lua e voltar. Espanha, Inglaterra e Alemanha foram os países que mais vezes visitou, num total acumulado entre os três de 50 viagens.

O resumo das classificações a 28 de dezembro desde 1982, bem como a posição final no Campeonato dessa temporada e os outros títulos ganhos, é o seguinte:

1982: 2.º lugar com 21 pontos em 13 jogos (-4 do que o Benfica)
Final 1982/83: 2.º lugar com 47 pontos em 30 jogos (-4 do que o Benfica)
Treinador: José Maria Pedroto
Títulos:

1983: 2.º lugar com 21 pontos em 12 jogos (-2 do que o Benfica)
Final 1983/84: 2.º lugar com 49 pontos em 30 jogos (-3 do que o Benfica)
Treinador: António Morais (que entrou por doença de José Maria Pedroto)
Títulos (2): Taça de Portugal e Supertaça

1984: 1.º lugar com 27 pontos em 15 jogos (+2 do que o Sporting)
Final 1984/85: 1.º lugar com 55 pontos em 30 jogos (+8 do que o Sporting)
Treinador: Artur Jorge
Títulos (2): Campeonato e Supertaça

1985: 1.º lugar com 22 pontos em 14 jogos (= a Benfica e Sporting)
Final 1985/86: 1.º lugar com 49 pontos em 30 jogos (+2 do que o Benfica)
Treinador: Artur Jorge
Títulos (2): Campeonato e Supertaça

1986: 2.º lugar com 25 pontos em 15 jogos (-1 do que o Benfica)
Final 1986/87: 2.º lugar com 46 pontos em 30 jogos (-3 do que o Benfica)
Treinador: Artur Jorge
Títulos (2): Taça dos Clubes Campeões Europeus e Supertaça

1987: 1.º lugar com 25 pontos em 14 jogos (+6 do que Benfica e Boavista)
Final 1987/88: 1.º lugar com 66 pontos em 38 jogos (+15 do que o Benfica)
Treinador: Tomislav Ivic
Títulos (4): Taça Intercontinental, Supertaça Europeia, Campeonato e Taça de Portugal

1988: 2.º lugar com 26 pontos em 18 jogos (-4 do que o Benfica)
Final 1988/89: 2.º lugar com 56 pontos em 38 jogos (-7 do que o Benfica)
Treinador: Artur Jorge (que já tinha substituído Quinito)
Títulos:

1989: 1.º lugar com 22 pontos em 13 jogos (= ao V. Guimarães)
Final 1989/90: 1.º lugar com 59 pontos em 34 jogos (+4 do que o Benfica)
Treinador: Artur Jorge
Títulos (1): Campeonato

1990: 1.º lugar com 33 pontos em 18 jogos (+2 do que o Benfica)
Final 1990/91: 2.º lugar com 67 pontos em 38 jogos (-2 do que o Benfica)
Treinador: Artur Jorge
Títulos (2): Taça de Portugal e Supertaça

1991: 1.º lugar com 25 pontos em 16 jogos (+1 do que o Benfica)
Final 1991/92: 1.º lugar com 56 pontos em 34 jogos (+10 do que o Benfica)
Treinador: Carlos Alberto Silva
Títulos (2): Campeonato e Supertaça

1992: 1.º lugar com 25 pontos em 16 jogos (+3 do que o Benfica)
Final 1992/93: 1.º lugar com 54 pontos em 34 jogos (+2 do que o Benfica)
Treinador: Carlos Alberto Silva
Títulos (1): Campeonato

1993: 2.º lugar com 19 pontos em 13 jogos (-2 do que o Benfica)
Final 1993/94: 2.º lugar com 52 pontos em 34 jogos (-2 do que o Benfica)
Treinador: Tomislav Ivic (seria substituído por Bobby Robson)
Títulos (2): Taça de Portugal e Supertaça

Bobby Robson rendeu Ivic, fez duas épocas completas onde foi bicampeão e saiu para o Barcelona (Stu Forster /Allsport)

1994: 1.º lugar com 24 pontos em 14 jogos (= ao Sporting)
Final 1994/95: 1.º lugar com 62 pontos em 34 jogos (+7 do que o Sporting)
Treinador: Bobby Robson
Títulos (2): Campeonato e Supertaça

1995: 1.º lugar com 41 pontos em 15 jogos (+5 do que o Sporting)
Final 1995/96: 1.º lugar com 84 pontos em 34 jogos (+11 do que o Benfica)
Treinador: Bobby Robson
Títulos (1): Campeonato

1996: 1.º lugar com 35 pontos em 13 jogos (+5 do que o Benfica)
Final 1996/97: 1.º lugar com 85 pontos em 34 jogos (+13 do que o Sporting)
Treinador: António Oliveira
Títulos (2): Campeonato e Supertaça

1997: 1.º lugar com 34 pontos em 14 jogos (+6 do que o V. Guimarães)
Final 1997/98: 1.º lugar com 77 pontos em 34 jogos (+9 do que o Benfica)
Treinador: António Oliveira
Títulos (2): Campeonato e Taça de Portugal

1998: 1.º lugar com 38 pontos em 16 jogos (+3 do que o Boavista)
Final 1998/99: 1.º lugar com 79 pontos em 34 jogos (+8 do que o Boavista)
Treinador: Fernando Santos
Títulos (2): Campeonato e Supertaça

1999: 1.º lugar com 34 pontos em 15 jogos (+1 do que o Sporting)
Final 1999/00: 2.º lugar com 73 pontos em 34 jogos (-4 do que o Sporting)
Treinador: Fernando Santos
Títulos (2): Taça de Portugal e Supertaça

Fernando Santos chegou, tornou-se o Engenheiro do Penta mas falhou o título nas duas épocas seguintes (Allsport UK /Allsport)

2000: 1.º lugar com 32 pontos em 15 jogos (+2 do que o Boavista)
Final 2000/01: 2.º lugar com 76 pontos em 34 jogos (-1 do que o Boavista)
Treinador: Fernando Santos
Títulos (1): Taça de Portugal

2001: 3.º lugar com 29 pontos em 16 jogos (-4 do que o Sporting)
Final 2001/02: 3.º lugar com 68 pontos em 34 jogos (-7 do que o Sporting)
Treinador: Octávio Machado (seria substituído por José Mourinho)
Títulos (1): Supertaça

2002: 1.º lugar com 39 pontos em 15 jogos (+9 do que o Benfica)
Final 2002/03: 1.º lugar com 86 pontos (+11 do que o Benfica)
Treinador: José Mourinho
Títulos (3): Taça UEFA, Campeonato e Taça de Portugal

2003: 1.º lugar com 39 pontos em 15 jogos (+5 do que o Sporting)
Final 2003/04: 1.º lugar com 82 pontos (+8 do que o Benfica)
Treinador: José Mourinho
Títulos (3): Liga dos Campeões, Campeonato e Supertaça

José Mourinho chegou, viu e venceu todas as provas, incluindo a Liga dos Campeões e a Taça UEFA (MIGUEL RIOPA/AFP/Getty Images)

2004: 1.º lugar com 29 pontos em 15 jogos (+1 do que Benfica e Sporting)
Final 2004/05: 2.º lugar com 62 pontos em 34 jogos (-3 do que o Benfica)
Treinador: Victor Fernández (que substituiu Luigi Del Neri/Rui Barros e que seria substituído por José Couceiro)
Títulos (2): Taça Intercontinental e Supertaça

2005: 1.º lugar com 37 pontos em 16 jogos (+4 do que o Nacional)
Final 2005/06: 1.º lugar com 79 pontos em 34 jogos (+7 do que o Sporting)
Treinador: Co Adriaanse
Títulos (2): Campeonato e Taça de Portugal

2006: 1.º lugar com 37 pontos em 14 jogos (+5 do que o Sporting)
Final 2006/07: 1.º lugar com 69 pontos em 30 jogos (+1 do que o Sporting)
Treinador: Jesualdo Ferreira
Títulos (2): Campeonato e Supertaça

2007: 1.º lugar com 35 pontos em 14 jogos (+1 do que o Benfica)
Final 2007/08: 1.º lugar com 69 pontos em 30 jogos (+14 do que o Sporting)
Treinador: Jesualdo Ferreira
Títulos (1): Campeonato

2008: 2.º lugar com 24 pontos em 12 jogos (-2 do que o Benfica)
Final 2008/09: 1.º lugar com 70 pontos em 30 jogos (+4 do que o Sporting)
Treinador: Jesualdo Ferreira
Títulos (2): Campeonato e Taça de Portugal

2009: 3.º lugar com 29 pontos em 14 jogos (-4 do que Benfica e Sp. Braga)
Final 2009/10: 3.º lugar com 68 pontos em 30 jogos (-8 do que o Benfica)
Treinador: Jesualdo Ferreira
Títulos (2): Taça de Portugal e Supertaça

2010: 1.º lugar com 38 pontos em 14 jogos (+8 do que o Benfica)
Final 2010/11: 1.º lugar com 84 pontos em 30 jogos (+21 do que o Benfica)
Treinador: André Villas-Boas
Títulos (4): Liga Europa, Campeonato, Taça de Portugal e Supertaça

Villas-Boas foi aposta em 2010, ganhou tudo nessa temporada e saiu para o Chelsea… como Mourinho (Fernando Veludo/AFP/Getty Images)

2011: 1.º lugar com 33 pontos em 13 jogos (= ao Benfica)
Final 2011/12: 1.º lugar com 75 pontos em 30 jogos (+6 do que o Benfica)
Treinador: Vítor Pereira
Títulos (1): Campeonato

2012: 1.º lugar com 32 pontos em 12 jogos (= ao Benfica)
Final 2012/13: 1.º lugar com 78 pontos em 30 jogos (+ 1 do que o Benfica)
Treinador: Vítor Pereira
Títulos (2): Campeonato e Supertaça

2013: 1.º lugar com 33 pontos em 14 jogos (= a Benfica e Sporting)
Final 2013/14: 3.º lugar com 61 pontos em 30 jogos (-13 do que o Benfica)
Treinador: Paulo Fonseca (seria substituído por Luís Castro)
Títulos (1): Supertaça

2014: 2.º lugar com 34 pontos em 15 jogos (-4 do que o Benfica)
Final 2014/15: 2.º lugar com 82 pontos em 34 jogos (-3 do que o Benfica)
Treinador: Julen Lopetegui
Títulos:

2015: 1.º lugar com 36 pontos em 14 jogos (+1 do que o Sporting)
Final 2015/16: 3.º lugar com 73 pontos em 34 jogos (-15 do que o Benfica)
Treinador: Julen Lopetegui (seria substituído por José Peseiro)
Títulos:

2016: 2.º lugar com 34 pontos em 15 jogos (-4 do que o Benfica)
Final 2016/17: 2.º lugar com 76 pontos em 34 jogos (-6 do que o Benfica)
Treinador: Nuno Espírito Santo
Títulos:

Conceição, a aposta para recuperar a mística, foi apresentado com os golos ao Bayern em 1987 como fundo (MIGUEL RIOPA/AFP/Getty Images)

2017: 1.º lugar com 39 pontos em 15 jogos (= ao Sporting)
Final 2017/18: 1.º lugar com 88 pontos em 34 jogos (+7 do que o Benfica)
Treinador: Sérgio Conceição
Títulos (1): Campeonato

2018: 1.º lugar com 36 pontos em 14 jogos (+4 do que o Benfica)
Treinador: Sérgio Conceição
Títulos (1, época ainda a decorrer): Supertaça

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)