Futebol

“Perguntavam pelo Buffon mas não queriam saber do Gianluigi”: o lado B do italiano, contado pelo próprio

A três semanas de fazer 41 anos, Gianluigi Buffon, hoje no PSG, recordou os tempos de ultra no Carrarese e o ataque de pânico que teve antes de um jogo na Juventus: "Tudo deixou de fazer sentido".

Buffon ganhou tudo o que havia para ganhar menos a Liga dos Campeões, apesar de já ter estado em três finais

AFP/Getty Images

A três semanas de fazer 41 anos, o mundo de Gianluigi Buffon, antigo campeão do mundo de seleções e nove vezes campeão de Itália (que foram 11 mas dois dos títulos foram retirados como consequência do Calciopoli) que falhou apenas o triunfo na Liga dos Campeões numa carreira que o colocou como um dos maiores e mais carismáticos guarda-redes de sempre, sofreu algumas mudanças. Pela primeira vez está a jogar no estrangeiro (PSG), pela primeira vez não é o titular indiscutível – vai alternando a baliza com Areola –, pela primeira vez nos últimos anos não é o dono da braçadeira de capitão. Ainda assim, está feliz em França. E confessa que nem sempre foi tudo perfeito em Itália, onde jogou 17 anos na Juventus após ter começado no Parma.

“Durante a minha juventude sentia-me omnipotente e invencível. Sentia que era indestrutível, que podia fazer o que quisesse. Era uma loucura sã que tenho presente e que me levou a cometer várias asneiras. Fico satisfeito porque nunca ter esquecido isso mas nunca utilizei drogas. Conheci pessoas de quem se fala muito mas sabe-se pouco, miúdos normais, sonhadores, alguns interessantes, alguns idiotas. Tudo como ultra do Carrarese. O nome do grupo era Comando Ultra Indian Tips. Cheguei a imprimir nas minhas luvas”, confessou à Vanity Fair sobre os seus tempos de ultra do modesto clube.

“Durante uns meses, tudo deixou de fazer sentido para mim, parecia que nada importava. Era como es estivessem a perguntar pelo Buffon e ninguém quisesse saber do Gianluigi. Foi um momento muito difícil. Tinha 25 anos e estava numa onde de êxitos mas um dia, antes de um jogo para a Serie A, fui ter com o Ivano Bordon, que era o treinador de guarda-redes, e disse-lhe para o Chimenti aquecer e jogar. Não me sentia capaz de fazê-lo, sofri um ataque de pânico”, assumiu o internacional transalpino, sobre um episódio que ocorreu quando estava ainda há poucos anos na Juventus.

“Percebi que era o momento decisivo para renunciar ou enfrentar as inseguranças que todos temos. Nunca tive medo de mostrá-las nem de chorar. É algo que que se pode passar e não devemos ter vergonha por isso. Se não tivesse partilhado essa experiência e confusão com outras pessoas, talvez não tivesse conseguido superar”, acrescentou.

Recorde-se que, no início do ano,Gigi Buffon tinha concedido outra entrevista ao Corriere della Sera onde assumiu ter pensado deixar o futebol em 2016 por um episódio muito específico. “Quando joguei contra o Federico Chiesa, da Fiorentina. Fiquei desorientado porque era a primeira vez que jogava contra um filho de um antigo companheiro e nesse momento confesso que pensei ser hora de abandonar o futebol”, salientou, recordando o confronto com o filho de Enrico Chiesa, com quem jogou na seleção italiana e no Parma, no final da década de 90.

Depois de ter ganho uma Taça UEFA, uma Taça e uma Supertaça de Itália pelo Parma, Gianluigi Buffon tornou-se um dos jogadores de sempre com mais títulos pela Juventus, somando aos nove Campeonatos mais quatro Taças e cinco Supertaças (além da Serie B, quando a Vecchia Signora foi despromovida no âmbito do Calciopoli), falhando apenas o objetivo da Liga dos Campeões apesar das três finais em que marcou presença – em 2003 frente ao AC Milan, em Manchester; em 2015 diante do Barcelona, em Berlim; e em 2017 com o Real Madrid, em Cardiff. No PSG, onde chegou de forma surpreendente no último verão, já conquistou uma Supertaça e lidera de forma confortável a Ligue 1.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)