Curiosidades Auto

Yutu 2 é o carro com que os chineses andam na Lua. Mas é bom?

Os chineses entraram na história espacial ao aterrar no outro lado da Lua, a que se seguiu um passeio com um carro chinês. Mas será que o veículo é alguma coisa de jeito? Melhor que o dos americanos?

Os fabricantes chineses não são exímios na concepção e produção de automóveis, pelo menos segundo a bitola europeia. Não andam muito longe, ou pelo menos não estão tão longe quanto estavam há cinco ou 10 anos atrás, mas o standard ainda não é igual aos dos europeus, americanos, japoneses ou coreanos. Agora que foram à Lua na nave Ghang’e 4 e levaram consigo o veículo Jade Hare 2, importa saber como é novo veículo chinês, produzido especificamente para circular do outro da Lua. Será que é melhor do que o utilizado pelos americanos? É que conduzir no único satélite da Terra pode ser tecnologicamente interessante, mas está longe de ser uma estreia, pois a primeira “voltinha” sobre rodas por aquelas bandas foi realizada há quase 48 anos.

A face escura da Lua, não é escura. Apenas nunca é visível a partir da Terra

Os astronautas chineses escolheram o lado mais distante da Lua para alunar. Não por ser mais difícil, mas porque nunca lá ninguém tinha estado – a nave americana Apollo 8 sobrevoou a região em 1968, quando orbitou o satélite – e porque se alguém pretender montar um rádio-telescópio, é provável que ali esteja mais protegido das rádio-interferências provenientes da Terra. Mas, ao contrário do que se pensa, em parte por causa do álbum publicado em 1973 pelos Pink Floyd, The Dark Side of the Moon, o lado menos visível da Lua não é necessariamente menos iluminado, pois ambos gozam de duas semanas de luz solar, seguidas de outras tantas de noite.

A diferença é que a Lua orbita em torno da Terra e a cerca de 385.000 km de distância, oferecendo sempre a mesma região (cerca de 59% do total) virada para o nosso planeta, daí que o restante seja “dark” não por ser mais escura, mas sim por ser mais desconhecida (e sem comunicações a partir da Terra, sempre que as naves espaciais estão “do outro lado”). Ainda assim, o lado mais distante da Lua é conhecido desde que a sonda soviética Luna 3 o fotografou em 1959 (os soviéticos publicaram mesmo o primeiro Atlas da região em 1960), e desde que os astronautas a viram e filmaram em 1968, durante a missão Apollo 8.

Yutu 2 sucede a Yutu

A nave chinesa Chang’e 4 alunou a 2 de Janeiro, numa cratera (Von Kármán) com 186 km de diâmetro, com o centro espacial chinês a receber informações e fotos através de um satélite de comunicações a fazer de relé, uma vez que não há possibilidade de comunicar por sinais rádio directamente com o nosso planeta. Doze horas depois da chegada da Chang’e 4 à Lua, os chineses retiraram a partir de Terra por controlo remoto – uma vez que tanto a nave como o veículo não são tripulados – o “rover” que viajou no interior do módulo espacial. Baptizado Yutu 2, por ser uma evolução do Yutu utilizado em situações similares na viagem de 2013, o veículo está encarregue de se passear pelo lado mais distante do satélite.

Com um peso de 140 kg, 1,5 metros de comptimento e seis rodas motrizes, obviamente eléctricas e direccionais (as da extremidade), o Yutu 2 vai recomeçar a sua exploração a 10 de Janeiro, estando equipado com câmaras panorâmicas, um espectrómetro por raios infravermelhos e outro para analisar a composição química das amostras através de raio-X de partículas alfa, este último colocado na extremidade de um braço robótico, para colocar o espectrómetro junta do objecto a estudar. À semelhança do Yutu, o seu sucessor está dotado de um radar capaz de penetrar no solo, para estudar a sua composição e estrutura. O aspecto mais curioso é que o Yutu 2 transporta consigo uma pequena estufa , dentro da qual estão sementes de Arabidopsis, para que os cientistas estudem a possibilidade de fazer crescer plantas na Lua, uma tarefa complicada, pois a temperatura durante a fase em que está exposta à luz solar atinge 127ºC, o que dura 13,5 dias, para no período seguinte, já sem a presença do Sol, cair para -180ºC.

Os painéis produzem energia eléctrica para fazer funcionar o Yutu 2, obviamente apenas durante os 13,5 dias da fase diurna, sendo previsível que revele o mesmo desempenho do seu antecessor, que apesar de ter sido concebido para operar durante três meses, a trabalhar numa área de 3 km2, acabou por funcionar durante 31 meses e percorrer cerca de 10 km. Quando finalmente o Yutu 2 deixar de funcionar, vai passar a integrar o grupo de 80 veículos que os humanos já “estacionaram” na Lua.

É o carro lunar chinês melhor do que os outros?

É certo que a tecnologia não pára de evoluir, mas o equipamento a bordo do Yutu 2 não difere muito dos outros veículos, igualmente não tripulados enviados para Marte, como é o caso do Curiosity, que está em funcionamento no planeta vermelho desde 2012, apesar de ter sido inicialmente concebido para uma missão de dois anos. Contudo, este veículo é substancialmente maior, com um peso de 900 kg e 2,9 metros de comprimento.

Ainda maior do que o Yutu 2 e o Curiosity foi o veículo lunar que serviu nas missões Apollo 15, 16 e 17, que mais parecia um buggy de quatro rodas, alimentado por bateria e com quatro motores de 0,25 kW, um por cada roda. Produzido pela Boeing e General Motors, esta geração de veículos era capaz de transportar dois astronautas, pesavam 210 kg e tinham 3,1 metros de comprimento. Um deles, o utilizado na Apollo 17, detém o recorde da distância percorrida na Lua, com 35,74 km.

Para a China, esta ida à zona menos conhecida da Lua tem tanto de político como de científico. Se, por um lado, permite que os chineses se assumam como a 3ª potência espacial, depois dos EUA e da Rússia, por outro lado, expõe o enorme atraso que têm face aos seus “concorrentes”, que se passeiam pelo satélite terrestre desde 1969 (Apollo 11), enquanto os chineses só pensam ter um dos seus astronautas a caminhar pela superfície da Lua em 2030, ou seja, 61 anos depois.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)