Luís Montenegro

Luís Montenegro desafia Rio a convocar diretas “já”. “Não tenha medo do confronto”

1.594

Montenegro desafia Rio para convocar eleições diretas "já" e pede-lhe para não se refugiar em questões formais: "Não tenha medo". Desafiador falou ainda ao país: "Quero galvanizar os portugueses".

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Está lançado o desafio a Rui Rio, nos contornos prometidos: Luís Montenegro diz que “está aqui” porque quer e porque sente que é preciso; dá a cara porque quer ser “o adversário que António Costa não teve ao longo do último ano” e porque considera “mais saudável, mais leal e mais útil” pôr “tudo em pratos limpos” em vez de “deixar o líder queimar em lume brando”.

Para isso, desafiou Rui Rio a convocar eleições diretas “já”, e pediu-lhe “coragem” para o fazer. “Não tenha medo do confronto”, disse. “Estou disponível para me candidatar de imediato à liderança do PSD convidando o dr. Rui Rio a marcar já diretas e a apresentar a sua própria candidatura”, acrescentou. Pediu-lhe “coragem” e pediu que não se “refugiasse atrás de questões formais”, jurídicas e administrativas. Ou seja, para Luís Montenegro, a convocação de diretas é a via preferencial, mas isso não quer dizer que rejeite liminarmente as outras opções de luta: a apresentação de uma moção de censura e a convocação de um Conselho Nacional extraordinário.

Antes do desafio, Luís Montenegro tinha começado a sua intervenção fazendo um balanço do primeiro ano de Rui Rio à frente do PSD. Disse, sem meias palavras, que Rui Rio “falhou”,  que o PSD está “frouxo e que “tudo isto é irreversível com esta liderança”. “Se nada for feito haverá uma derrota humilhante” nas eleições.

Um ano depois, o estado a que o PSD chegou é mau, é preocupante e é irreversível com esta liderança. Rui Rio prometeu fazer do PSD uma alternativa e oposição firme ao governo, mas falhou: não há uma crítica de Rui Rio a António Costa, há complacência. Em vez disso, o PSD resignou-se e deitou a toalha ao chão, só tenta encontrar explicações e debitar justificações para a derrota que eles próprios pré-anunciam”, disse.

Na visão de Luís Montenegro, não há outra opção senão a “mudança” para “salvar o PSD do caminho para o abismo em que está a mergulhar”. Isto apesar de sempre ter defendido que os mandatos devem ir até ao fim. Numa tentativa de explicar esta contradição, Montenegro diz que isso é válido para “circunstâncias normais”, mas esta não é uma circunstância normal. “Há um ano ninguém concebia que o PSD fosse o que é hoje: amorfo, sem causas, incapaz de mobilizar os seus militantes e em risco de ter uma derrota que pode comprometer a sua sobrevivência enquanto partido nacional”, disse ainda, explicando que por essa razão “não se resigna” e sente que “deve sair da [sua] zona de conforto”.

“Estou aqui para galvanizar os portugueses para um tempo de esperança”

Metade da intervenção, contudo, foi virada para o país, como se já estivesse a falar enquanto candidato a primeiro-ministro. Disse que “estava aqui” para “galvanizar os portugueses em torno de um tempo de esperança: esperança para os empresários, que querem arriscar novos negócios, para os trabalhadores, que aspiram a melhores salários, e tempo de esperança para os mais desfavorecidos”.

No final, depois de ter praticamente desenhado o ideal de sociedade que defende e que quer pôr em marcha, Montenegro terminou a dizer que era em nome dessa sociedade que não faltava à chamada.  “Estou aqui para dizer ao país que precisamos de um governo novo e de um novo primeiro-ministro. Estou aqui para ser o adversário que António Costa não teve ao longo do último ano. Estou disponível para liderar esta mudança. Portugal está a perder temo com este governo socialista, bloquista e comunista”, disse.

O ex-líder parlamentar apareceu (praticamente) sozinho na sala do CCB, apenas acompanhado da assessora de imprensa e do deputado Hugo Soares, apoiante desde a primeira hora, e Joaquim Pinto Moreira, presidente da câmara de Espinho, e amigo de Montenegro. De resto, a sala estava requisitada apenas para jornalistas, mas alguns militantes de base apareceram para ouvir o desafiador de Rio.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
PSD

São brancos, que se entendam /premium

Paulo Tunhas

Ninguém percebe qual é a partitura do PSD e qual a sinfonia que Rio ou Montenegro vão tocar, algo imprescindível para uma pessoa decidir se vai ou não ao concerto. Pode ser tudo e mais alguma coisa.

Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)