Metro do Porto

Metro do Porto vai discutir com tutela onde aplicar os 620 milhões inscritos no PNI

O Metro do Porto informou que vai debater com a tutela onde será aplicado o dinheiro do PNI para a expansão das linhas que abrangem os concelhos do Porto, Gondomar, Gaia, Matosinhos, Trofa e Maia.

Fonte da mesma empresa frisou que "os valores previstos no PNI 2020/2030 para a expansão da rede não estão neste momento afetos a quaisquer linhas ou zonas geográficas concretas"

FERNANDO VELUDO/LUSA

A Metro do Porto vai estudar com a tutela onde será aplicado o montante de 620 milhões de euros inscrito no Plano Nacional de Investimentos (PNI) para expansão entre 2020 e 2030, indicou esta sexta-feira fonte daquela empresa.

Em causa, um plano aprovado quinta-feira pelo Governo e que destina 620 milhões de euros à rede de metro do Porto, sendo que estão em estudo linhas que abrangem concelhos como Porto, Gondomar, Vila Nova de Gaia, Matosinhos, Trofa e Maia.

A Metro do Porto, em articulação com os seus acionistas e o Governo, irá estudar com o devido detalhe, os vários cenários de expansão, tendo como ponto de partida as possibilidades de expansão analisadas em 2016 e 2017″, indica resposta remetida à agência Lusa.

Fonte da mesma empresa frisou que “os valores previstos no PNI 2020/2030 para a expansão da rede não estão neste momento afetos a quaisquer linhas ou zonas geográficas concretas”.

Mas, para o coordenador da área dos transportes na Área Metropolitana do Porto, Marco Martins, a prioridade é clara: “ligar o centro de Gondomar ao concelho do Porto”.

“Gondomar é o único concelho do primeiro anel que não tem uma ligação de metro do seu centro até ao Porto. E há que reforçar a rede em Vila Nova Gaia e em Matosinhos na parte norte, junto à Circunvalação”, defendeu.

Marco Martins, que é também presidente da Câmara de Gondomar, citando o último inquérito da mobilidade, divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística em dezembro, frisou esta prioridade, juntando dados de Vila Nova de Gaia.

Gondomar e Gaia são os municípios que mais debitam utilizadores de transportes públicos e são aqueles onde há mais uso do transporte individual, portanto, onde é necessário reforçar o transporte público”, disse o coordenador metropolitano da área dos transportes.

Neste investimento apontado para longo prazo não constam as linhas já aprovadas e em fase de concurso que são a Linha Rosa, que ligará a Casa da Música a São Bento, no Porto, e o prolongamento da Linha Amarela (Hospital São João-Santo Ovídio) até Vila D’Este, em Gaia.

Essas duas linhas têm já financiamento atribuído pelo Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR), bem como pelo Fundo Ambiental.

Assim, o PNI contempla sete outros focos de possível expansão desde Matosinhos Sul até à Casa da Música, num investimento de 250 milhões de euros que se traduz em 6,4 quilómetros, a uma segunda linha até Vila Nova de Gaia, a fazer através de nova travessia sobre o rio Douro, desde a Casa da Música até às Devesas, ou seja 4,3 quilómetros a custar 156 milhões de euros.

Também são linhas a estudar a de Campanhã, no Porto, até Valbom, e Gondomar, a qual implica um investimento de 202 milhões de euros em seis estações e 5,85 quilómetros.

A chamada Linha de S. Mamede (Fonte do Cuco, Matosinhos – Polo Universitário, Porto junto às Asprela) é outro dos percursos que poderá ser equacionado para investimento ao abrigo do PNI 2020/2030, sendo que esta custa 269 milhões de euros.

Uma das reclamações antigas no Grande Porto em relação ao metro é a ligação à Trofa, desde o Instituto Superior da Maia passando pela freguesia do Muro, no valor de 136 milhões, sendo que esta poderá ser outra das linhas a equacionar, uma vez que também consta da lista de percursos analisados anteriormente e que a Metro do Porto vai discutir com a tutela.

Somam-se uma linha circular entre a Casa da Música e Campanhã (286 milhões de euros) e a ligação da Faculdade de Engenharia até ao concelho da Maia (9,10 quilómetros e 11 estações).

Em declarações à agência Lusa, Marco Martins apontou, ainda, que a proposta inicial da primeira proposta do PNI fala em 500 milhões de euros, mostrando-se satisfeito pelo incremento de verba em mais 120 milhões.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)