Tudo começou em 2013 quando a mãe Ana fez uma pulseira para a filha Carolina e esta partilhou-a na internet. O feedback foi tão positivo que, dois anos mais tarde, decidiram criar uma marca onde aos acessórios acrescentaram também sapatos. Muitos deles têm chegado aos pés de algumas estrelas internacionais.

Mas comecemos pelo princípio. Carolina Santos é natural de Coimbra mas mudou-se de malas e bagagens para o Porto para estudar arquitetura e assim poder explorar a sua veia mais artística. Quando entrou no mercado de trabalho não sentiu a liberdade criativa que precisava para viver e depois de partilhar na internet uma viagem a Itália com o namorado, a ideia de criar um blogue começou a ganhar forma. O tema veio de uma paixão antiga, a moda, e o nome, The French Fries, do gosto mais do que assumido por batatas fritas. “Estava a estagiar no escritório e comecei a ir vezes de mais à casa de banho ver os e-mails do blogue. Acabei por me despedir”, conta Carolina.

Avéne, Piaget, Benetton, Montblanc, Calzedonia ou Pantene foram apenas algumas marcas com quem já colaborou, razões mais do que suficientes para acreditar que conseguia viver apenas do lugar que ocupou na blogosfera. Este foi também o timming perfeito para poder dedicar-se a 100% à Alameda Turquesa, uma marca que criou com a mãe após a progenitora lhe ter feito à mão uma pulseira cheia de pompons coloridos, que saltou à vista das suas seguidoras mais vaidosas.

14 fotos

“A minha mãe é daquelas pessoas que se não encontrar alguma coisa, faz. Não tem formação, é puro gosto e intuição.”
Depois das pulseiras, brincos e colares, mãe e filha aventuraram-se na produção de calçado, igualmente original e colorido, começando pelas sandálias. Tudo era vendido uma página no Facebook, em pequena escala e sem grandes ambições.

Juntas fazem aquilo que gostariam de usar mas não encontram nas prateleiras das lojas, não são reféns dos ciclos da moda, de tendências ou da sazonalidade das coleções. Apostam na confeção nacional, nos detalhes pintados à mão e na qualidade das matérias primas, que acreditam ser o verdadeiro segredo do negócio.

Berloques, pompons, pérolas, conchas, tecidos, contas de madeira, lenços, pedras semipreciosas ou cristais são alguns materiais que podemos encontrar em sandálias rasas ou de salto alto, sneakers, botins ou mules e também carteiras. “Há sandálias em que demoramos cinco horas a colocar mais de 120 peças à mão”, explica Carolina.

O interesse das estrelas

Antes mesmo de lançarem a loja online receberam um e-mail da jornalista de moda italiana Anna Dello Russo a pedir alguns produtos para um editorial da Vogue Japão. “Foi surreal”, lembra Carolina. Mais tarde, seguiu-se o interesse de várias bloggers e influencers, como Eva Chen, diretora de moda do Instagram, e a oportunidade de venderem uma coleção cápsula no blogue de Chiara Ferragni. “Ela enviou-nos uma mensagem porque estavam a reformular o blogue e iam introduzir e-commerce. Na seleção de marcas que ela queria para a abertura estávamos nós.”

A conquista mais recente foi a atriz colombiana Sofia Vergara, que na véspera de Natal publicou uma fotografia com umas sandálias Alameda Turquesa nos pés após as ter comprado online. “Saber que a atriz mais bem paga da televisão americana pode comprar tudo o que quer e escolhe usar aquilo que tu fazes é assim… incrível.”

5 fotos

Há quem se case com modelos da marca ou até encomende pedidos especiais, mais personalizados. A Alameda Turquesa está ainda a dar os primeiros passos, não pensa alargar o leque de produtos e, apesar de não se mostrar em feiras da especialidade nem apostar na publicidade, tem conseguido chegar aos quatro cantos do mundo. Hoje pode orgulhar-se de ter lojas no Dubai, Reino Unido, Caraíbas e Estados Unidos, e clientes em Itália, Alemanha, Polónia, Rússia ou Arábia Saudita.

Por cá os produtos da marca, cuja coleção do próximo verão já está a ser pensada, estão apenas à distância de um clique. “Em Portugal o mercado é pequeno, nós não fazemos saldos e não queremos que as lojas compitam connosco, por isso preferimos vender apenas online. Até porque temos entregas muito rápidas.”