“Somos a primeira geração que consegue preservar na íntegra o património”, disse esta terça-feira Bernardo Correia, diretor para Portugal da Google. A afirmação foi feita no antigo museu dos Coches, em Lisboa, no evento de lançamento de mais de três mil obras património cultural português digitalizados no Google Arts & Culture. O trabalho vindo a ser desenvolvido desde 2017 numa parceria entre o Estado português e a empresa tecnológica americana.

A ferramenta da Google, que também está disponível numa aplicação para smartphones, deixa qualquer pessoa aceder digitalmente — podendo utilizar-se funcionalidades de realidade virtual e aumentada — a obras de arte de todo o mundo. “A tecnologia e a forma como a Google Arts trabalha permite preservar obras de arte e prevenir acidentes que aconteceram [para proteger o património, como no Museu no Brasil]”, referiu a ministra da Cultura Graça Fonseca, que esteve presente no evento devido à colaboração do ministério da Cultura para concretizar esta iniciativa.

[Em dezembro experimentámos a aplicação Google Arts & Culture com a Obra de Vermeer. Além de ter realidade virtual, a app também permite tirar selfies e, através de reconhecimento facial, encontrar quadros em museus com pessoas parecidas com o utilizador]

Para ver as peças do património cultural português e saber mais sobre a História do país preservadas neste arquivo do Google Arts & Culture, como um tour digital sobre “Inês de Castro, mulheres que quebraram barreiras”, “uma viagem com Luís Vaz de Camões” ou saber mais sobre os coches que Portugal tem, basta aceder ao site do projeto Portugal: Arte e Património.

A cerimónia de apresentação do projeto da Google e do estado português decorreu no museu dos coches

“É uma extraordinária mais-valia para os nossos museus e para o nosso país” disse ainda a ministra da Cultura. Esta iniciativa fez parte do plano Simplex+, como explicou Maria Manuel Leitão Marques, ministra da Presidência e da Modernização Administrativa. A política socialista referiu que este programa governamental “é um aliado da cultura”, congratulando o trabalho feito para a digitalização deste património.

A Google, além de gerir e promover este projeto em parceria com o Estado português, juntou-se a vários museus portugueses (ver no fim) para, diretamente, disponibilizar online o acesso a inúmeras peças, mesmo as que não em exposição permanente. Segundo David Santos, subdiretor da Direção Geral do Património Cultural, este é “o maior projeto digital de cultura em Portugal”.

No evento, que contou também com a presença de Amit Sood, diretor do Google Cultural Institute, a ministra da Cultura, endereçando-se a este responsável da Google, deixou dois desafios para o futuro do projeto, referindo: “Queremos que esta seja a primeira parceria entre nós e a Google”.

O primeiro desafio foi que, por Portugal ter “uma longa história de mulheres [influentes na cultura] e a Google estar a fazer um trabalho muito importante com as mulheres de todo o mundo”, se desenvolvam mais espaços no âmbito deste projeto para dar a conhecer as suas histórias e trabalho. O segundo foi direcionado às crianças, com a ministra a pedir que Portugal seja o primeiro país a ter o “Google Arts & Culture Kids”. Ao Observador, Amit Sood respondeu: “quão rápido podemos avançar?”.

Um projeto gerido pela Google, com apoio do Estado português

Para fotografar todas as peças atualmente disponíveis neste espólio digital português, a Google emprestou a diversas instituições culturais uma câmara especial de alta resolução — a Art Camera–, e ensinou os colaboradores a operá-la. É devido a esta câmara que passou a ser possível ver com grande detalhe (zoom) obras como os azulejos do Grande Panorama de Lisboa ou peças como os Painéis de São Vincente, que ficaram também preservadas digitalmente, neste último caso “em mais de 140 mil milhões de píxeis”: “foi a maior peça de arte digitalizada pela Google até agora”, contou Amit Sood.

O Estado [português] ofereceu-nos as pessoas fantásticas: os curadores, o staff, etc. Há investimento desse lado por parte do governo. O que estamos [Google] a investir é na tecnologia, na operação e no saber”, afirmou Amit Sood quanto ao investimento da Google para preservar e disponibilizar digitalmente mais de 3 mil peças.

O investimento foi “avultado”, revela o responsável da Google Arts & Culture ao Observador. “Estamos a fazer a digitalização e a tratar da manutenção da plataforma”, explica ainda. O trabalho, que é feito “sem fins lucrativos”, permite à Google ser a detentora de uma plataforma com um dos maiores espólios digitais de arte de todo o mundo.

Amit Sood é o responsável a nível mundial pelo Google Arts and Culture.

A escolha do país para a primeira notícia deste projeto em 2019 da Google Culture surgiu porque “se não se tem  Portugal bem representado neste projeto, está-se a fazer um erro”, disse o responsável. No futuro, a Google vai continuar a disponibilizar esta plataforma para, digitalmente, “proteger a cultura portuguesa”, como referiu Graça Fonseca e vai aumentar o número de peças e obras de arte disponíveis.

Quanto a esta iniciativa poder tirar público aos museus, tanto o governo como a Google, afirmam o contrário. A justificação dada é que, ao disponibilizar digitalmente este espólio, o público ficará com vontade de ver as peças na ‘vida real’. Vários museus, como as Galerias Uffizi ou o Louvre, têm disponibilizado novas ferramentas tecnológicas para uma interação diferente com as obras que têm em exposição.

Os museus parceiro da Google para o lançamento deste projeto são 18: Torre de Belém, Museu Nacional de Arte Antiga, Panteão Nacional, Museu Nacional dos Coches, Museu Nacional do Azulejo, Museu do Chiado, Museu Nacional Soares dos Reis, Museu Nacional de Arqueologia, Casa Museu Dr. Anastácio Gonçalves (Casa de Malhoa), Mosteiro dos Jerónimos, Museu Nacional da Música, Palácio Nacional da Ajuda, Museu Nacional Grão Vasco, Museu Monográfico de Conímbriga, Museu Nacional, Machado de Castro, Convento de Cristo, Mosteiro de Alcobaça, Palácio Nacional de Mafra, Museu Nacional de Etnologia e Museu de Arte Popular, Museu Nacional do Traje e o Museu Nacional do Teatro e da Dança.