Rádio Observador

Realidade Aumentada

Já é possível ver todas as obras de Vermeer em realidade aumentada

419

Todas as obras de Vermeer, como a Rapariga com o Brinco de Pérola e O Concerto, ficaram acessíveis, em realidade aumentada e num único lugar, na app Arts&Culture, da Google. Já experimentámos.

A Rapariga com o Brinco de Pérola é a obra mais conhecida de Johannes Vermeer

Scarlett Johansson e Colin Firth popularizaram o nome e a obra do pintor holandês Johannes Vermeer, com o filme “Rapariga com o Brinco de Pérola”, em 2003. Agora, a Google quis dar um passo maior e disponibiliza, a partir desta segunda-feira, as 36 obras atribuídas ao artista na aplicação Arts&Culture. Pela primeira vez num único sítio, qualquer utilizador pode ver as pinturas de Vermeer em realidade aumentada na própria sala ou percorrer uma exposição digital com todos os quadros.

[o teaser em que a Google mostra esta iniciativa para mostrar a obra de Vermeer]

Com a tecnologia de realidade aumentada que, com a câmara de um smartphone, permite sobrepor imagens digitais no mundo real e ver, através do ecrã, as obras de Vermeer no mundo real, a Google oferece uma nova forma de ver ‘de perto’ as pinturas. A tecnológica disponibiliza esta nova forma de ver o acervo do pintor através de várias parcerias com o museus e instituições culturais em todo o mundo, como tem feito para mostrar obras de outros artistas na app Arts&Culture (disponível para iOS, Android e no PC, neste último não é possível utilizar as ferramentas de realidade aumentada).

A imagem em realidade aumentada que surge no smartphone ao ver uma das obras é como esta. É possível aumentar e diminuir a pintura e, ao aproximar o smartphone, ver com melhor pormenor

Através desta app da empresa, lançada em 2011, é possível percorrer digitalmente museus por todo o mundo, como a Galeria Uffizi (Galeria dos Ofícios), em Florença, da mesma forma que se utiliza o Google Street View. No caso das obras de Vermeer, além de se poder percorrer esta galeria digital, na secção dedicada ao pintor, é possível fazer visitais virtuais às instituições onde estão as obras do pintor, como o museu Mauritshuis, nos Países Baixos, ou Museu Coleção Frick, em Nova Iorque.

Ao experimentarmos esta nova ferramenta de realidade aumentada dedicada a Vermeer, apesar de não ser tão intuitiva como se podia esperar — ao colocar digitalmente uma obra na redação houve percalços, como o smartphone reconhecer espacialmente os objetos ou poder rodar a pintura — confirmamos que é possível interagir de forma mais próxima com as obras do pintor. Contudo, apesar de ser uma forma interessante de se fingir que se vai a um Museu, não substitui a visita.

Para utilizar esta funcionalidade de realidade aumentada na app Arts&Culture, é preciso atualizar a aplicação para permitir que a ferramenta “Pocket Gallery” possa ser utilizada. Outros museus e empresas, como o Smithsonian, têm utilizado a tecnologia de realidade aumentada — que passou a ser amplamente conhecida com o fenómeno do Pokémon Go, em 2016 — para permitir um contacto mais inovador com obras de arte ou com as peças expostas, esteja em casa ou no museu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Privacidade

Gratuito é mentira

João Nuno Vilaça
150

Que estamos a ceder em troca destas aplicações e serviços gratuitos? A nossa alma? Quase. Estamos a ceder os nossos dados, que são extremamente valiosos e pessoais. São o recurso mais valioso do mundo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)