(Artigo originalmente publicado em 2019 e atualizado a 20 de novembro de 2022 por ocasião do jogo inaugural do Mundial do Qatar)

A forma como o Japão conseguiu desmontar a melhor organização defensiva na meia-final frente ao Irão de Carlos Queiroz, além do histórico de sucesso sem equiparação entre as outras seleções, colocava o conjunto nipónico como teórico favorito no encontro decisivo da Taça da Ásia, esta sexta-feira. No entanto, o Qatar comprovou que os números com que chegou à final foram tudo menos obra do acaso e o conjunto comandado pelo espanhol Félix Sánchez (que trocou em 2006 a Academia do Barcelona, onde esteve dez anos, pelo projeto desportivo do país que recebe agora o Mundial 2022) garantiu mesmo o seu primeiro título de sempre na competição, numa vitória por 3-1 em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.