Transportes

Lime vai ter “patrulha” para fiscalizar trotinetes mal estacionadas

As trotinetes têm sido criticadas por estacionamento abusivo. Agora, a Lime vai criar uma "patrulha de 15 pessoas" para impedir estes casos. Só vai atuar com aparelhos da empresa e zonas específicas.

A Lime foi a primeira empresa de trotinetes partilhadas a operar em Portugal. Atualmente, há seis empresas

As trotinetes elétricas são uma nova solução para a mobilidade urbana. Através de uma app pode alugar uma em qualquer sítio e deixá-la quando terminar a viagem. Como seria de esperar, e à semelhança do que aconteceu no estrangeiro, há abusos deste sistema. Para colmatar o “estacionamento abusivo” a Lime vai ter, a partir desta terça-feira, uma “patrulha” de 15 pessoas para “sensibilizar utilizadores e assegurar o bom estacionamento”.

Vamos lançar a patrulha Lime. Uma equipa de 15 pessoas que vão estar nas artérias principais da cidade de Lisboa e ruas com passeios mais estreitos para patrulhar estes locais e ajudar na mobilidade da cidade”, explicou ao Observador Luís Pinto, diretor de expansão da Lime.

Com a Câmara Municipal de Lisboa e as autoridades a exigirem mais fortemente o cumprimento da lei na utilização destas trotinetes, a Lime quer reforçar “a preocupação com a segurança” nesta ação. Estes 15 funcionários da empresa vão operar principalmente nas zonas do Marquês de Pombal, Saldanha, Avenidas Novas, Cais do Sodré, Terreiro do Paço, Belém e Parque das Nações” e nas “ruas onde os passeios são mais estreitos”.

Ao todo, a empresa já tem 50 colaboradores na cidade que garantem as operações de gestão dos transportes que disponibilizam. Estes 15, que acrescem a esta equipa, vão ter como única missão fiscalizar 24 horas, em regime por turnos, casos de má utilização e estacionamento abusivo.

Quanto aos casos de estacionamento abusivo ou de má utilização destes veículos, detetados em equipamento de outras empresas de trotinetes elétricas a operar na capital — como a Hive ou a VOI –, o responsável da Lime afirma que este serviço não vai contemplá-los. Justificação? “Vamos garantir que esta equipa é o mais eficiente possível”.

Neste momento, a Lime tem uma forte presença em Lisboa. Vamos estar focados na nossa operação apenas. Face às preocupações levantadas pelos cidadãos em relação ao estacionamento das trotinetes, queremos ser parte da solução”, afirma Luís Pinto.

A iniciativa de criar uma patrulha própria da empresa para este tipo de fiscalização já foi criada noutras cidades para minimizar o impacto que esta solução urbana tem tido nas cidades, como Paris. Outras empresas concorrentes, como a VOI, também já criaram ações de sensibilização semelhantes, como a unicorn crew, com pessoas nas ruas a incentivar o uso civilizado destas trotinetes, tanto a estacionar como em andamento.

Numa altura em que a CML anda a falar com estas empresas para encontrar soluções para o estacionamento abusivo, o objetivo da Lime é “continuar a trabalhar em conjunto com os municípios” para garantir “o bom estacionamento”. “Para já”, esta patrulha vai operar autonomamente, sem coordenação com ações de fiscalização das autoridades.

A Lime atualmente tem mais de 53 mil utilizadores registados e as trotinetes estão disponíveis em toda a cidade de Lisboa 24 horas por dia.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

António Costa enganou-se

Bruno Bobone

Em nome de preconceitos ideológicos está a pôr-se em causa a qualidade e sustentabilidade do SNS, pois todos os hospitais PPP oferecem um serviço de qualidade, conforme comprovou o próprio Ministério.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)