Rádio Observador

Brexit

May desloca-se a Bruxelas com missão ‘impossível’ de renegociar o ‘backstop’

Theresa May vai encontrar-se com Juncker e Donald Tusk para apresentar uma proposta que preconiza a substituição do 'backstop' para a fronteira irlandesa por "disposições alternativas".

O 'backstop' constitui um mecanismo de salvaguarda que pretende evitar o regresso de uma fronteira física entre a República da Irlanda e a província britânica da Irlanda do Norte

ANDY RAIN/EPA

A primeira-ministra britânica vai procurar esta quinta-feira, em Bruxelas, ‘convencer’ os presidentes da Comissão Europeia e do Conselho Europeu a renegociar o mecanismo de salvaguarda irlandês incluído no acordo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

O périplo de Theresa May pelas instituições europeias em Bruxelas terá início às 11h00 horas locais (menos uma hora em Lisboa e Londres), com May a ser recebida pelo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, antes de atravessar a Rue de la Loi para se encontrar com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, numa reunião agendada para as 15h00.

Naquela que é a sua primeira deslocação a Bruxelas desde que o parlamento britânico aprovou, em 29 de janeiro, uma proposta que preconiza a substituição do ‘backstop’ para a fronteira irlandesa, inscrito no acordo de saída do Reino Unido da União Europeia, por “disposições alternativas“, com vista à ratificação daquele texto pela Câmara dos Comuns, a líder do Governo britânico terá a difícil missão de demover Juncker e Tusk, inabaláveis no seu propósito de não renegociar.

Um dia antes da visita de May, e no âmbito dos seus encontros individuais com o primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, os dois políticos repetiram pela enésima vez que nem o acordo de saída, ‘fechado’ entre Bruxelas e Londres em novembro e endossado pelos chefes de Estado e de Governo dos 27 no final daquele mês, nem o mecanismo de salvaguarda da fronteira irlandesa serão renegociados.

E se o presidente do executivo comunitário até foi comedido nas palavras — embora tenha deixado bem claro que a primeira-ministra britânica está ciente de que os seus parceiros do bloco comunitário não vão ‘tocar’ no texto já fechado e em processo de ratificação do lado europeu -, Donald Tusk não ‘poupou’ os britânicos.

“Tenho-me questionado como será o lugar especial no inferno reservado àqueles que promoveram o ‘Brexit’ sem terem sequer o esboço de um plano para realizá-lo em segurança”, declarou na quarta-feira.

Num discurso duro, o presidente do Conselho Europeu reafirmou o seu compromisso com a República da Irlanda e lembrou que a posição dos 27 é “clara” e que aqueles não farão qualquer concessão.

“Deixem-me vincar que o Conselho Europeu de dezembro decidiu que o acordo de saída não será alvo de uma renegociação”, completou, dizendo esperar que a líder do Governo britânico traga na mala uma solução “realista” para resolver o impasse criado pelo ‘chumbo’ daquele documento, em 15 de janeiro, na Câmara dos Comuns, e para evitar uma saída desordenada do Reino Unido da UE em 29 de março.

A própria Theresa May tinha reconhecido, quando foi mandatada para renegociar o ‘backstop’, que não seria fácil ‘convencer’ Bruxelas a reabrir as negociações do texto já acordado entre as partes, especificamente a cláusula relativa à ‘rede de segurança’ para a fronteira irlandesa.

O acordo do ‘Brexit’ inclui um mecanismo de salvaguarda, comummente conhecido como ‘backstop’, que pretende evitar o regresso de uma fronteira física entre a República da Irlanda, Estado-membro da UE, e a província britânica da Irlanda do Norte.

O ‘backstop’ consiste na criação de “um território aduaneiro único” entre a UE e o Reino Unido, no qual as mercadorias britânicas teriam “um acesso sem taxas e sem quotas ao mercado dos 27” e que garantiria que a Irlanda do Norte se manteria alinhada com as normas do mercado único “essenciais para evitar uma fronteira rígida”.

Este mecanismo só seria ativado caso a parceria futura entre Bruxelas e Londres não ficasse fechada antes do final do período de transição, que termina a 31 de dezembro de 2020 e que poderá ser prolongado uma única vez por uma duração limitada.

O ‘backstop’ é contestado pelos parlamentares britânicos que temem que este mecanismo deixe o país indefinidamente numa união aduaneira, e que reclamam que Londres possa ‘abandonar’ unilateralmente esta solução.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)