Passadeira Vermelha

BAFTA: quem foi princesa e quem foi plebeia na grande noite do cinema britânico?

717

O bom gosto britânico não é infalível e os últimos BAFTA, no domingo à noite, provaram-no. Kate Middleton trouxe o conto de fadas para a "red carpet", outras reduziram-no a um circo de variedades.

É a grande noite do cinema britânico e um dos pontos altos da temporada de prémios que culmina nos Óscares, marcados para o dia 24 de fevereiro. Nesta noite de domingo, a 72ª edição dos prémios BAFTA (British Academy of Film and Television Arts) contou com o habitual desfile de estrelas, no Royal Albert Hall, em Londres. Kate Middleton e o príncipe William foram os representantes da família real, Glenn Close, Olivia Colman, Amy Adams, Viola Davis e Rachel Weisz estiveram entre as divas habilitadas às estatuetas de Melhor Atriz Principal e de Melhor Atriz Secundária.

Antes de qualquer prémio ser anunciado, a passadeira vermelha. Viola Davis não foi só uma das primeiras chegar. A protagonista de “Viúvas”, do realizador Steve McQueen, surpreendeu pela sobriedade do vestido de veludo preto Armani Privé. Com um decote assimétrico, a atriz conseguiu aquele toque diferenciador. Falar de quem se destacou pela positiva é falar também de Rachel Brosnahan, protagonista da série “The Marvelous Mrs. Maisel”. Da autoria de Erdem Moralioglu, o vestido verde conquistou pelo grande laço preto na parte da frente e pela utilização de pérolas para decorar as alças e o decote. Também a norte-americana Laura Harrier brilhou, ainda que com um visual relativamente leve e informal, assinado pela Louis Vuitton. Irina Shayk, mulher do duplamente nomeado Bradley Cooper, foi, muito provavelmente, a maior surpresa da noite. A manequim russa deu folga aos vestidos Versace provocadores e escolheu um fato preto Burberry. Uma sobriedade invulgar, portanto.

Mas o prémio de elegância vai direto para Kate Middleton. A duquesa de Cambridge surgiu na passadeira vermelha com um vestido branco, da autoria da casa Alexander McQueen, que lhe deixava um ombro a descoberto. A princesa completou o visual com uns brincos de diamante, que pertenciam a Diana, e com uns sapatos de glitter da marca Jimmy Choo. Pelo detalhe na alça, tudo leva a crer que o vestido usado por Kate na cerimónia deste domingo é semelhante ao que usou na festa de aniversário do príncipe Carlos, em novembro do ano passado.

Do outro lado da tabela de avaliações, encontramos Margot Robbie e a prova de que um vestido Chanel não é garantia de sucesso. A pedraria no decote de Cate Blanchett também deixou a desejat, sobretudo quando a atriz australiana é uma das maiores referências de estilo das passadeiras vermelhas do cinema. Lily Collins foi outra das silhuetas difíceis de digerir. Apesar do azul elétrico do seu vestido e blazer Givenchy ter feito um match perfeito com a sua tez pálida, a renda, a transparência e o volume não estiveram em harmonia.

Na fotogaleria, reunimos imagens dos principais looks da noite, dos que passaram com distinção aos que chumbaram por unanimidade.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)