Passadeira Vermelha

BAFTA: quem foi princesa e quem foi plebeia na grande noite do cinema britânico?

717

O bom gosto britânico não é infalível e os últimos BAFTA, no domingo à noite, provaram-no. Kate Middleton trouxe o conto de fadas para a "red carpet", outras reduziram-no a um circo de variedades.

É a grande noite do cinema britânico e um dos pontos altos da temporada de prémios que culmina nos Óscares, marcados para o dia 24 de fevereiro. Nesta noite de domingo, a 72ª edição dos prémios BAFTA (British Academy of Film and Television Arts) contou com o habitual desfile de estrelas, no Royal Albert Hall, em Londres. Kate Middleton e o príncipe William foram os representantes da família real, Glenn Close, Olivia Colman, Amy Adams, Viola Davis e Rachel Weisz estiveram entre as divas habilitadas às estatuetas de Melhor Atriz Principal e de Melhor Atriz Secundária.

Antes de qualquer prémio ser anunciado, a passadeira vermelha. Viola Davis não foi só uma das primeiras chegar. A protagonista de “Viúvas”, do realizador Steve McQueen, surpreendeu pela sobriedade do vestido de veludo preto Armani Privé. Com um decote assimétrico, a atriz conseguiu aquele toque diferenciador. Falar de quem se destacou pela positiva é falar também de Rachel Brosnahan, protagonista da série “The Marvelous Mrs. Maisel”. Da autoria de Erdem Moralioglu, o vestido verde conquistou pelo grande laço preto na parte da frente e pela utilização de pérolas para decorar as alças e o decote. Também a norte-americana Laura Harrier brilhou, ainda que com um visual relativamente leve e informal, assinado pela Louis Vuitton. Irina Shayk, mulher do duplamente nomeado Bradley Cooper, foi, muito provavelmente, a maior surpresa da noite. A manequim russa deu folga aos vestidos Versace provocadores e escolheu um fato preto Burberry. Uma sobriedade invulgar, portanto.

Mas o prémio de elegância vai direto para Kate Middleton. A duquesa de Cambridge surgiu na passadeira vermelha com um vestido branco, da autoria da casa Alexander McQueen, que lhe deixava um ombro a descoberto. A princesa completou o visual com uns brincos de diamante, que pertenciam a Diana, e com uns sapatos de glitter da marca Jimmy Choo. Pelo detalhe na alça, tudo leva a crer que o vestido usado por Kate na cerimónia deste domingo é semelhante ao que usou na festa de aniversário do príncipe Carlos, em novembro do ano passado.

Do outro lado da tabela de avaliações, encontramos Margot Robbie e a prova de que um vestido Chanel não é garantia de sucesso. A pedraria no decote de Cate Blanchett também deixou a desejat, sobretudo quando a atriz australiana é uma das maiores referências de estilo das passadeiras vermelhas do cinema. Lily Collins foi outra das silhuetas difíceis de digerir. Apesar do azul elétrico do seu vestido e blazer Givenchy ter feito um match perfeito com a sua tez pálida, a renda, a transparência e o volume não estiveram em harmonia.

Na fotogaleria, reunimos imagens dos principais looks da noite, dos que passaram com distinção aos que chumbaram por unanimidade.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Família

Filhos de cabeceira /premium

Laurinda Alves

Trazer os pais para casa nunca é fácil, sobretudo para eles, mas muito mais importante do que a perturbação que esta decisão provoca no interior das famílias, é o equilíbrio que lhes devolve a eles.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)