“Não há melhor lembrança do que esses segundos em que levantas o troféu e vês que finalmente conseguiste tocar o céu!”, dizia Ricardinho esta semana, recordando o feito conseguido pela Seleção Nacional a 10 de fevereiro de 2018 quando Portugal ganhou pela primeira vez o Campeonato da Europa de futsal. O esquerdino do Inter já tinha ganho tudo o que havia para ganhar por clubes, em termos nacionais (em Portugal, em Espanha e no Japão) e europeus (três UEFA Cup), mas conseguiu no ano passado um registo que ele, mais do que ninguém, soube reconhecer como um marco de carreira. Também por isso, esta foi uma semana diferente para o melhor do mundo e, depois de ter elogiado a capacidade de Gondomar organizar um Europeu da modalidade, foi partilhando uma série de vídeos de apoio dirigidos à Seleção Nacional feminina.

José Mourinho, Éder, Nuno Gomes, William Carvalho, André Silva, Diogo Dalot, Pizzi, Nélson, Bebé, Madjer ou Jéssica Silva foram algumas das figuras ligadas ao futebol que corporizaram essa onda junto da equipa comandada por Luís Conceição, que era anfitriã da primeira edição de sempre de um Europeu de futsal feminino. Que começou com a Espanha a garantir a primeira vaga na final de domingo após derrotar a Rússia por 5-0, que teve continuidade com casa cheia e grande ambiente no triunfo de Portugal diante da Ucrânia por 5-1. Domingo, há duelo ibérico no jogo decisivo. Tal como já tinha acontecido no ano passado no Campeonato da Europa masculino. Tal como Ricardinho, por todas as ligações que tem, gostava que acontecesse.

Ainda assim, não foi propriamente a coisa mais fácil do mundo derrubar a muralha das ucranianas. Aos 12 minutos, Portugal ganhava 18-1 em remates e 10-1 em cantos. Carla Vanessa acertou no poste, Fifó falhou 1×1, Janice perdeu outra oportunidade soberana sem oposição, Jenny também não conseguiu enganar a guardiã contrária. Viktoriia Sagaidachna, assim se chamava a grande heroína que ia arrastando ao máximo o nulo no marcador, um nulo que foi apenas quebrado já depois de Inês Fernandes ter acertado de novo no poste: ao 23.º remate nacional à baliza, a número 1 da Ucrânia ainda tocou na primeira tentativa de Jenny mas, ao 24.º, Janice encostou e fez o 1-0 aos 14′, perante a incapacidade contrária em passar sequer do meio-campo.

Portugal ia forçando. E forçando. E forçando. A defender alto, a ver a adversária de falta em falta até à quinta, a mostrar lances de estratégia bem trabalhados que conseguiam resultar em finalização mas que encontravam sempre um obstáculo para não irem para dentro da baliza. Nem mesmo após a sexta falta da Ucrânia o resultado foi dilatado, com o livre de dez metros de Carla Vanessa a passar ao lado da baliza do conjunto de leste. Com uma diferença de 28-3 em remates tentados e 11-1 em remates enquadrados, a Seleção chegava ao intervalo com a vantagem mínima que não espelhava o que se passara.

No segundo tempo, e de forma completamente inesperada, acabou por ser a Ucrânia a começar melhor, chegando ao empate numa das raríssimas oportunidades que teve por Anna Sydorenko logo no segundo minuto, encostando sozinha ao segundo poste um lance de 2×1 em que Naty, que entretanto tinha substituído Ana Catarina na baliza, nada podia fazer. Perante tudo o que se passara até esse momento, acabou por ser um balde de água fria em Gondomar que tirou por alguns minutos a fluidez ao caudal ofensivo de Portugal mas que em nada a tendência natural desta segunda meia-final: Fifó, a jovem prodígio que se estreou com apenas 16 anos na Seleção e que foi a grande figura da vitória nacional nos Jogos da Juventude, apontou o 2-1 com um remate de longe (28′) e fez ainda a assistência para Carla Vanessa aumentar para 3-1, a sete minutos e meio do fim.

Carla Vanessa e Ana Azevedo ainda juntaram mais uns capítulos à atração pelos postes que evitou por cinco vezes que Portugal fosse aumentando o resultado, a Ucrânia ainda protagonizou o momento “caricato” da noite ao avançar para o 5×4 com seis jogadoras na quadra, e Janice (38′) e Fifó (no último minuto) sentenciaram o 5-1 nos derradeiros instantes. Assim, a Seleção Nacional conseguiu confirmar a presença na final da primeira edição do Europeu de futsal feminino (domingo, 18h30).