A Sociedade de Jogos de Macau (SJM), fundada por Stanley Ho, apresentou esta quinta-feira lucros de 2,250 mil milhões de dólares de Hong Kong (252 milhões de euros), em 2018, um aumento de 45,2% face ao ano anterior. A operadora, com 22 casinos em Macau, tinha tido em 2017 uma queda de 15,6% nos lucros atribuídos aos acionistas do grupo.

Em comunicado, a SJM indicou que as receitas de jogo, no ano passado, cresceram 8,3% para 33,677 mil milhões de dólares de Hong Kong 3,769 (mil milhões de euros). De acordo com a empresa, a SJM teve uma fatia de 14,9% do total das receitas de jogo em Macau.

A SJM recolheu 19,5% do total das receitas do mercado de massas e 12,2% do mercado vip, da capital mundial do jogo onde, no ano passado, as receitas dos casinos cresceram 14%, para 302,846 mil milhões de patacas (32,796 mil milhões de euros).

De acordo com o comunicado do grupo, a operadora apresentou 3.724 milhões de dólares de EBITDA ajustado (resultados antes de impostos, juros, depreciações e amortizações), um aumento de mais de 21,1% em relação ao período homólogo de 2017.

O hotel-casino mais emblemático do grupo, Grand Lisboa, apresentou uma taxa de ocupação de 95,5%, um aumento de 1,7% face ao ano anterior.

“O mercado de jogos de casino de Macau continuou o seu ímpeto de crescimento em 2018 e a SJM obteve ganhos significativos em receita, EBITDA Ajustado e lucro”, apontou o diretor executivo do grupo, Ambrose So.

O responsável indicou ainda estar confiante na conclusão “nos próximos meses” da construção do Grand Lisboa Palace, o futuro resort integrado da SJM no Cotai, faixa de casinos entre as ilhas da Taipa e de Coloane, que começou em fevereiro de 2014.

O Grand Lisboa Palace terá uma área total de 521 mil metros quadrados. Mais de 90% da área total será dedicada a instalações não-jogo, incluindo hotéis, como o “Palazzo Versace” e “Karl Lagerfeld”, num total de dois mil quartos.