Rádio Observador

Rep Democrática do Congo

RDCongo. Número de mortos por Ébola sobe para 565

Foram contabilizados 900 contágios. Contudo, o ministro da Saúde congolês afirma que a epidemia encontra-se sob "relativo controlo" na maioria das áreas afetadas.

O surto atual regista o maior número de contágios no país e o segundo mais mortífero da história

SALVATORE DI NOLFI/EPA

O número total de mortos devido ao Ébola no nordeste da República Democrática do Congo (RDCongo) subiu para 565 em 900 casos registados, de acordo com os últimos dados do Governo congolês.

Segundo um relatório do Ministério da Saúde daquele país africano a que agência Efe teve acesso, a contabilização oficial até à passada terça-feira, dia 5 de março, dá conta de 900 contágios, 835 dos quais confirmados em laboratório e 65 prováveis, e de 565 mortes, das quais o resultado “positivo” foi também atestado em laboratório.

O ministro da Saúde congolês, Oly Ilunga Kalenga, qualificou na terça-feira a evolução da resposta à epidemia como “positiva no geral” e garantiu que se encontra sob “relativo controlo” na maioria das áreas afetadas.

De entre as 19 zonas onde o surto está ativo, em 10 não foi reportado qualquer novo caso nos últimos 22 dias, sendo que as zonas urbanas de Butembo e Katwa — na província do Kivu Norte — continuam a apresentar-se como os principais focos, com mais de 86% dos novos casos confirmados.

As “reticências das comunidades tornaram-se particularmente violentas” em Butembo e Katwa, de acordo com Ilunga, uma vez que são ainda muitos os que se negam a ser tratados — por medo de serem ostracizados pela comunidade — ou preferem recorrer a curandeiros tradicionais.

Nessas duas cidades, a organização não-governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras foi obrigada a suspender as suas atividades em dois centros de tratamento de Ébola no final de fevereiro, depois de serem atacados por grupos armados, que provocaram a morte de dois pacientes em Katwa e de um polícia em Butembo.

Estas áreas vivem desde há anos em conflito devido à presença de dezenas de milícias rebeldes, que enfrentam o exército da RDCongo e os efetivos da missão das Nações Unidas no país (MONUSCO), o que dificulta a aplicação de uma estratégia de contenção do Ébola na escala adequada.

Se a resposta não for implementada de forma efetiva, se as equipas não puderem continuar com a identificação de contactos, vacinações e outras atividades de resposta, vamos confrontar-nos com um novo surto, acompanhado de dezenas de mais mortes”, advertiu o governante congolês.

“Não podemos perder o controlo desta epidemia”, afirmou.

Desde o passado dia 8 de agosto, data em que as autoridades deram início à campanha de vacinação, quase 86.000 pessoas foram inoculadas, na sua maioria nas cidades de Katwa, Beni, Butembo e Mabalako.

O surto atual é o décimo que afeta a RDCongo, o que regista o maior número de contágios no país e o segundo mais mortífero da história.

O surto mais devastador a nível global – que fez mais de 11.300 mortos e mais de 28.500 infetados, de acordo com Organização Mundial de Saúde (OMS) — foi declarado em março de 2014 na Guiné-Conacri.

Esse surto expandiu-se de forma exponencial da Guiné-Conacri para os países vizinhos Serra Leoa e Libéria, em parte devido à tradição local de lavar e de beijar os mortos em funerais, um costume que também se verifica na RDCongo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)