Rádio Observador

Drogas

Lisboa aumentou consumo de cocaína e MDMA entre 2013 e 2017

Porto e Almada também participaram no estudo europeu sobre consumo de droga a nível mundial. O uso destas substâncias é mais comum no município de Lisboa.

ALVARO CABRERA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A canábis continua a ser a droga mais usada em Portugal, mas o consumo de cocaína e MDMA aumentou em Lisboa entre 2013 e 2017, revelou esta quinta-feira o Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (OEDT).

Os últimos dados sobre análises a águas residuais revelam hábitos de consumo de drogas em 73 cidades europeias, de 20 países, e um aumento na deteção de estimulantes.

Lisboa, Porto e Almada participaram no estudo europeu que fornece informação sobre o consumo de droga a nível municipal, com base nos níveis de substâncias ilícitas encontrados nas águas residuais.

Os resultados mostram um aumento de cocaína e MDMA consumidos em Lisboa entre 2013 e 2017, sendo o uso destas substâncias mais comum na capital do que no Porto e em Almada (em 2016 e 2017).

Em todos os locais, a presença destas substâncias na água era maior aos fins de semana do que durante a semana.

No entanto, em 2017, os níveis de anfetaminas e metanfetaminas detetados nas três cidades permaneceram baixos, indicando “um uso muito limitado dessas substâncias” naqueles locais, refere um relatório do OEDT.

O Observatório sublinha que os dados mais recentes sobre o uso de drogas entre os estudantes foram relatados no “European School Survey Project” de 2015 sobre Álcool e Outras Drogas (ESPAD, na sigla em inglês).

O consumo de canábis e outras substâncias ilícitas entre os estudantes portugueses foi “ligeiramente inferior à média europeia”, com base em dados de 35 países, (abaixo de 20%). Já o uso de novas substâncias psicoativas ao longo da vida ficou muito abaixo da média, que é inferior a 10%.

Também o consumo de cigarros e álcool ficou abaixo da média europeia apurada, que ultrapassou ligeiramente os 20% no primeiro caso e largamente os 40% no segundo, de acordo com os gráficos apresentados no relatório do OEDT.

“Estima-se que em 2015 havia cerca de 33.290 consumidores de opiáceos de alto risco em Portugal, o que representa cerca de 5,2 por 1.000 entre a população adulta”, lê-se no documento.

O teste de rastreio de canábis incluído em 2016-17 num inquérito geral à população indicou que cerca de 0,7% dos residentes entre os 15 e os 64 anos poderiam ser considerados consumidores de alto risco, de canábis.

Dados dos centros de tratamento especializados mostram que as solicitações de primeiros tratamentos atribuíveis ao uso de heroína diminuíram desde 2009.

Por oposição, as novas entradas para tratamentos resultantes do uso primário de canábis quase duplicaram nos últimos anos.

“Após um período de alguma estabilidade na procura de novos tratamentos relacionados com a cocaína, observou-se um aumento nos últimos anos”, observam os peritos, notando que os homens representaram a maioria das pessoas que procuraram tratamento.

A canábis continua a ser a droga mais frequente em Portugal, seguida de MDMA/ecstasy e cocaína, segundo o relatório.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)