Rádio Observador

Ciclismo

Team Sky passa a Team Ineos? Empresa do homem mais rico do Reino Unido pode ser o novo patrocinador

Equipa já tinha anunciado o fim da parceria com a cadeia de televisão e que 2019 seria o ano de procurar novo patrocinador. A Ineos, uma empresa petrolífera, deve ser anunciada nas próximas 48 horas.

Egan Bernal (à direita) venceu a prova de Paris-Nice e Michal Kwiatkowski (à esquerda) foi o terceiro classificado da geral

AFP/Getty Images

Oito vitórias nas principais voltas — Giro d’Italia, Tour de França e Vuelta a Espanha — e um registo superior a 300 vitórias, numa parceria que durou mais de uma década e chega agora ao fim. A cadeia de televisão britânica Sky deixou de patrocinar e dar nome à equipa de ciclismo mas, de acordo com o The Guardian, está perto o anúncio de quem lhe sucede. Nas próximas 48 horas a equipa deve anunciar Jim Ratcliffe como o novo dono e a sua empresa petrolífera, a Ineos, como o novo nome.

Fontes próximas da equipa confessaram ao jornal britânico que foram feitas quatro ofertas “fortes”, mas nenhuma com os recursos de Ratcliffe. A cadeia de televisão britânica investiu mais de 150 milhões de libras nos últimos dez anos, menos de 15 milhões anuais. Mas o novo patrocinador cavou mais fundo e tem 40 milhões de libras anuais (mais de 45 milhões de euros) para gastar. Ou seja, com a Ineos o orçamento mais do que triplicou. Este aumento orçamental faz com que seja expetável que a equipa mantenha os principais corredores. O The Guardian avança que é “quase certa” a continuidade de Geraint Thomas, o vencedor do último Tour de França, de Chris Froome, que venceu em 2013, 2015, 2016 e 2017, e do colombiano Egan Bernal, que venceu o Paris-Nice no último sábado. Os ciclistas continuam, apesar do alegado assédio de várias equipas rivais.

O novo dono, Jim Ratcliffe, é o homem mais rico do Reino Unido e tem uma fortuna avaliada em cerca de 13 mil milhões de dólares (mais de 11 mil milhões de euros), ocupando o 110.º lugar da lista dos mais ricos do mundo da Forbes. O inglês detém 60% da Ineos, uma empresa de produtos químicos que, no ano passado, alcançou lucros de mais de 2,2 mil milhões de libras (2,5 mil milhões de euros) e emprega 18,5 mil pessoas. Apoiante do Brexit, deixou o Reino Unido e mudou-se para o Mónaco, onde os principais corredores da equipa e o treinador, Tim Kerrison, estão sediados.

Bradley Wiggins, o primeiro ciclista a vencer o Tour de França pela Sky, diz ser uma “ótima notícia para todos os envolvidos na Sky e para os ciclistas“. “Nunca é uma boa pressão andar constantemente a perguntar a um empresário para onde vão no próximo ano e se há dinheiro para continuar”, disse num podcast da Eurosport. Para o antigo ciclista inglês, que materializou o objetivo da Sky aquando da aquisição da equipa com a vitória do Tour, a equipa continuará sob a controlo de Dave Brailsford, o diretor-geral. “É tudo feito à maneira do Dave no que toca ao controlo da equipa e penso que ele estaria relutante quanto a ter outra multinacional a assumir o controlo”, acrescentou.

Esta não é a primeira investida de Jim Ratcliffe no desporto. De acordo com o The Guardian, o inglês equacionou comprar o Chelsea e, no ano passado, investiu 110 milhões de libras (mais de 128 milhões de euros) numa equipa de vela britânica com o propósito de vencer a America’s Cup 2021. Tal como vai acontecer com a Sky, a equipa de vela passou a ter Ineos no nome.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)