Rádio Observador

Pintura

O Grito, de Edvard Munch, retrata um homem a gritar? Provavelmente não

788

É uma das obras mais conhecidas de Edvard Munch, mas terá sido sempre mal interpretada. A figura de mãos nos ouvidos e boca aberta expressará apenas o êxtase do autor perante um magnífico pôr-do-sol.

Quem olha para o quadro com um homem careca de mãos nos ouvidos e boca aberta reconhece automaticamente a obra O Grito, de Edvard Munch. A pintura expressionista é uma das mais famosas do mundo. Mas quem acha que a imagem representa um homem que está, de facto, a gritar está enganado. Na verdade, tal como explica a CNN, Munch recorda uma memória pessoal de um pôr-do-sol magnífico em Oslo, que deu ao céu tons azuis e alaranjados.

É claro que não podemos saber com certeza o que é que um artista que morreu há mais de 70 anos pensou no momento da criação. Mas esta é a explicação de Giulia Bartrum, curadora de uma exposição dedicada a Munch que se vai realizar em breve no Museu Britânico, em Londres. “O céu vermelho-sangue gerou nele um efeito de muita ansiedade”, explicou Bartrum. “Este trabalho artístico é o reflexo da forma de estar de Munch”. Uma das provas desta interpretação é o facto de o artista ter escrito na versão a preto e branco “Eu senti o fantástico grito em toda a natureza”. Ou seja, a figura e mãos nos ouvidos está praticamente em êxtase, a tentar bloquear o grito da natureza. No fundo, o quadro é uma metáfora para uma emoção muito intensa e muito pessoal.

O ondular da figura é a representação visual do sentimento de Munch e as riscas pretas e brancas são a vibração. “O impacto emotivo é óbvio”, disse a curadora, que refere também que é muito simples interpretar o quadro. Bartum disse ainda que “podemos associar isso à nossa própria forma de estar”, porque “todos temos estes momentos de desespero”.

O quadro também tem sido usado muitas vezes para campanhas políticas ou movimentos, como por exemplo a Campanha para o Desarmamento Nuclear. Mas Munch estava a expressar uma emoção pessoal e não a passar uma mensagem pública de catarse. Segundo Bartum, o pintor era um homem recatado e, hoje em dia, como é mais fácil reproduzir e espalhar imagens, também é mais fácil certos movimentos apropriarem-se delas.

A curadora faz até um aviso: não se deve associar O Grito ao Brexit, já que a exposição vai ser feita no Reino Unido, que se prepara para abandonar a União Europeia. “Nós não planeámos ter a exposição neste momento”, disse Bartum, referindo-se a este momento como “puramente fortuito”.

A exposição Munch: amor e angústia está a ser planeada há 5 anos e vai decorrer de 11 de Abril a 21 de Julho. Nasce do esforço entre o Museu Britânico e o Museu Munch, em Oslo, no país natal do artista. Vão estar expostos quase 50 quadros da coleção, sendo a maior exibição de trabalhos de Munch em 45 anos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)