Rádio Observador

Benfica

Luís Filipe Vieira e Benfica vão processar Ana Gomes por difamação

7.153

A eurodeputada Ana Gomes vai ser processada pelo Benfica e por Luís Filipe Vieira após ter dito que o dirigente do clube tinha "um passado de deliquência". E defendeu Rui Pinto no caso E-Toupeira.

Ana Gomes está a ser acusada de "calúnias, falsas declarações e difamação"

António Pedro Santos (Lusa)/ Miguel A.Lopes (Lusa)

O Benfica e o seu presidente Luís Filipe Vieira anunciaram que vão processar a eurodeputada Ana Gomes depois de, em entrevista ao jornal Record, ter dito que “há um passado de delinquência ligado” ao presidente do clube vermelho e branco. Segundo o Diário de Notícias, que avança a notícia citando fonte oficial do Benfica, Ana Gomes vai ser alvo de uma queixa por alegadas “calúnias, falsas declarações e difamação” após ter apontado o dedo a Luís Filipe Vieira e ter defendido o hacker Rui Pinto — que ficou em prisão preventiva esta 6.ª feira pela alegada prática de seis crimes envolvendo o Sporting e a empresa Doyen.

Numa entrevista publicada esta domingo pelo Record, Ana Gomes diz que “extraordinariamente, a SAD [do Benfica], o clube [Benfica] e o seu dirigente máximo [Luís Filipe Vieira] não são acusados [no âmbito do processo e-toupeira]. Sabemos que o dirigente máximo do clube [Vieira] está referenciado em várias listas de grandes devedores do país por vários empréstimos não pagos. Há todo um passado de delinquência ligado a essa pessoa. Há inúmeros elementos que apontam para o facto de o Benfica poder ter especial interesse em que alguém que tem um acervo considerável de documentos de vários clubes não só possa ser posto sob controlo, mas inclusivamente o seu arquivo também o seja.” São estas declarações que levaram Luís Filipe Vieira e o próprio Benfica a processar a eurodeputada.

Ana Gomes também se referiu a Rui Pinto, suspeito de alegadamente ter levado a cabo um ataque aos servidores informáticos do Benfica e de ter passado essa informação ao FC Porto e à comunicação social. Para a eurodeputada, Pinto faz parte de um grupo de pessoas que “faz um trabalho extraordinariamente importante na defesa do interesse público” e “no combate ao crime organizado”.

A diplomata diz que Rui Pinto “tem razão para temer pela sua vida” agora que foi extraditado para Portugal, mas que as autoridades portuguesas terão a obrigação de salvaguardar a segurança do arguido.

Ana Gomes fez ainda questão de comparar dois processos que envolvem o Benfica (o caso e-toupeira) e o FC Porto (Apito Dourado). “O que eu percebo do Apito Dourado e o que li sobre ele é que acabou por dar em muito pouco, não obstante ter ficado mais claro que havia uma podridão total nos circuitos do futebol. Penso que agora o e-toupeira vem confirmar isso”. E teme que um termine como o outro: “Não é estranho que crimes graves de uma série de pessoas, como o corruptor de um funcionário judicial envolvido que tinha passwords de magistrados para ir ver processos para o dito clube, não ser acusada, estando ela ao corrente?”, pergunta, referindo-se a Luís Filipe Vieira, a quem Paulo Gonçalves (diretor jurídico do Benfica e acusado no caso e-toupeira) reportava.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)