Viver muito bem, com pouco dinheiro, enquanto se descobre o património cultural, gastronómico e natural de um sítio. Foi com base nesta premissa que o jornal espanhol El Mundo fez uma lista dos cinco melhores países para os reformados irem aproveitar a vida, e Portugal é um deles. Os outros são todos longínquos: Tailândia, Perú, Costa Rica ou Panamá.

A justificação? Primeiro, a distância e a “facilidade” cultural. “Se não procura uma mudança de vida demasiado profunda mas quer aproveitar a reforma noutro país, Portugal é a melhor opção”, lê-se, sublinhando-se as semelhanças da língua ou o a facilidade de chegar junto dos entes queridos quando “bater a saudade”. Mas não é só isso: o custo de vida em Portugal é “muito mais barato do que em Espanha”, o clima é “parecido”, a “dieta é saudável” e “o povo é hospitaleiro, sobretudo com os espanhóis”. Lisboa, Porto e Braga são as cidades de eleição.

Em primeiro lugar no ranking, contudo, aparece a Tailândia: com o seu clima “ideal para quem sofre de artrite”, sem o frio de inverno e com a possibilidade de escapar do calor intenso nas terras altas; com o seu custo de vida muito baixo que permite alugar um apartamento em Banguecoque por apenas 300 euros/mês e abastecer o frigorífico por apenas 40 euros; ou ainda com o seu sistema de saúde moderno e económico. Já para não falar das ilhas e praias paradisíacas, da cultura budista “pacífica” ou da civilização avançada.

Em segundo, o Peru. “Comida saudável, paisagens espetaculares, património cultural e histórico invejável, preços acessíveis, quilómetros de praias, gente hospitaleira” e…uma língua comum, são os pontos fortes eleitos pelo jornal espanhol.

A Costa Rica aparece em quarto lugar, a seguir a Portugal, seguindo-se depois o Panamá. A Costa Rica por ser “o país mais avançado, rico, estável, ecológico e seguro da América Central”, torna-se um local apetecível para quem gosta de clima tropical, aliado a um baixo custo de vista e um bom sistema sanitário. O estilo de vida saudável é outro ponto forte: “Comem poucos alimentos processados, muita fruta e verduras orgânicas, assim como são adeptos das atividades ao ar livre”. Um extra: 10% da população vive para lá dos 100 anos.

Na vizinhança da Costa Rica aparece o Panamá, com vantagens idênticas e com um acrescento: há descontos em transportes, eventos culturais, restaurantes e consultas médicas para os pensionistas que não recebem mais do que mil dólares por mês.