Rádio Observador

CMVM

OPA/EDP. CMVM adverte que rejeição da proposta do fundo Elliot leva a queda da oferta sobre a EDP

A CMVM alertou que se os acionistas da EDP rejeitarem a proposta de alteração estatutária do fundo Elliot dá-se "a não verificação" de uma das condições para o registo da oferta sobre a EDP.

António Mexia, presidente do conselho de administração da EDP

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A CMVM disse que  se os acionistas da empresa, em assembleia-geral, rejeitarem a proposta de alteração estatuária do fundo Elliot ”dá-se a não verificação” de uma das condições para o registo da oferta sobre a EDP,

“No âmbito do procedimento de registo das ofertas públicas de aquisição anunciadas preliminarmente pela China Three Gorges (Europe) sobre a EDP — Energias de Portugal e a EDP Renováveis (EDP-R) […] a eventual rejeição pelos acionistas daquela proposta de alteração estatutária implicará a não verificação de uma das condições para o lançamento e registo da oferta sobre a EDP (e, por conseguinte, também da oferta sobre a EDP-R)”, lê-se no comunicado divulgado esta sexta-feira pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A verificar-se esta rejeição na assembleia-geral de acionistas, marcada para 24 de abril, “exceto no caso de o oferente exercer a faculdade de renúncia à referida condição, será suscetível de dar como não verificado um dos requisitos de que depende o registo pela CMVM das ofertas e, por conseguinte, a sua extinção”.

Em causa, está a proposta do fundo Elliott para desblindagem dos estatutos da EDP.

Num comunicado remetido ao mercado em 1 de abril, a EDP referiu que em 27 de março de 2019, os acionistas Elliott Internactional, L.P. e Elliott Associates, L.P., detentores de 73.498.803 ações, representativas de 2,01% do capital social da EDP, requereram ao vice-presidente da mesa da assembleia-geral a introdução de um novo ponto na ordem do dia da assembleia geral anual da empresa, a realizar em 24 de abril, com vista à “Alteração dos Estatutos da Sociedade”.

Assim, “em aditamento à convocatória e, em conformidade com o requerimento apresentado, procede-se à inclusão de um novo ponto, numerado como ponto nove”, refere o comunicado da EDP ao mercado.

O fundo Elliott quer que os acionistas se pronunciem se a empresa deve eliminar o limite de 25% dos direitos de voto, que viabiliza a oferta pública de aquisição da China Three Gorges Europe.

A comissão liderada por Gabriel Figueiredo Dias indicou ainda que a eventual aprovação da proposta implicará “a verificação de uma das condições para o lançamento e registo” da oferta sobre a EDP e EDP-R.

Neste cenário, a “CMVM notificará o oferente estabelecendo um prazo de 45 dias de calendário dentro do qual se deverão verificar as restantes condições de que depende o registo e lançamento das ofertas, nomeadamente a obtenção de todas as aprovações ou autorizações administrativas exigíveis, bem como a aprovação da restante alteração estatutária relevante”.

O prazo será fixado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários em função de “exigências de eficiência, celeridade e de acordo com critérios de proporcionalidade, tendo em conta a necessidade de impedir a perturbação da atividade das sociedades visadas para além de um período razoável e de acautelar o normal funcionamento do mercado, em linha com anteriores operações similares em Portugal”.

De igual forma, isto sucederá se, por motivo de suspensão da assembleia-geral de acionistas ou “por ocorrência de qualquer outra vicissitude”, não for tomada a decisão na data em causa, “aplicando-se, por conseguinte, o referido prazo de 45 de calendário para verificação de todas as condições de lançamento das ofertas”.

A Oferta Pública de Aquisição (OPA) feita à EDP pela China Three Gorges, empresa elétrica estatal chinesa que já detém 23,27% da elétrica portuguesa, anunciada em maio de 2018, prevê uma contrapartida de 3,26 euros por ação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)