Música

Ciclo de Órgão de S. Vicente de Fora abre este sábado com Manuel Rebelo e João Vaz

Dedicado ao tema da Paixão de Cristo, o ciclo de órgão começa este sábado com uma atuação do barítono Manuel Rebelo, acompanhado pelo organista João Vaz. A série de concertos prolonga-se até dezembro.

O IX Ciclo de Órgão de S. Vicente de Fora, em Lisboa, é dedicado à Paixão de Cristo

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O IX Ciclo de Órgão de S. Vicente de Fora, em Lisboa, abre este sábado com obras dos séculos XVI ao XVIII, sobre a temática da Paixão de Cristo, interpretadas pelo barítono Manuel Rebelo, acompanhado pelo organista João Vaz. O ciclo de oito concertos, no segundo sábado de cada mês, pelas 17h, prolonga-se até dezembro, sendo apenas interrompido em agosto.

O programa deste sábado é preenchido por obras dos séculos XVI ao XVIII, que se relacionam com a temática da Paixão de Cristo, “sem esquecer a figura incontornável de Johann Sebastian Bach, sublinhando este período que anuncia a Páscoa”, segundo comunicado da organização. João Vaz, titular do órgão histórico de S. Vicente de Fora, que toca este sábado, é quem encerra, no dia 7 de dezembro, este ciclo com a Schola Cantorum da Catedral de Santarém, sob a direção de Pedro Rollin Rodrigues.

O barítono Manuel Rebelo concluiu o Curso de Canto do Conservatório Nacional de Lisboa, sob a orientação de Rute Dutra, com a classificação máxima, e é diplomado em Formação Musical, pela Escola Superior de Música de Lisboa. Além do Coro Gulbenkian, o barítono faz parte do Chapella Patriarcal e dos Tetvocal, em 2002. Em 2006 estreou-se na ópera, sob a direção de Lawrence Foster. Em 2012, Manuel Rebelo estreou-se discograficamente, a solo, em “Voice n’Drum”. Atualmente colabora com a Fundação Calouste Gulbenkian e com o Teatro Nacional de S. Carlos, assim como com projetos de músicos como João Gil e Vitorino.

Ao concerto de abril, segue-se, a 11 de maio, uma atuação da classe de órgão da Escola Superior de Música de Lisboa (ESML), que vai apresentar “Messe des Couvents”, de François Couperin, compositor de quem se assinalam os 350 anos da morte. François Couperin publicou entre 1689 e 1690 as “Pièces d’orgue consistantes en deux messes”, a sua única obra destinada a órgão. “Este livro contém duas missas, uma destinada às paróquias e outra aos conventos”. No dia 8 de junho toca João Paulo Janeiro, que, em 2017, protagonizou a estreia moderna, com instrumentos de época, do “Requiem à Memória de Camões”, de João Domingos Bomtempo.

O organista francês Michel Bouvard e a japonesa Yasuko Uyama, o espanhol Juan de la Rubia, o português Daniel Ribeiro e o alemão Josef Miltschitzky são outros nomes que fazem parte da programação. O Órgão Histórico da Igreja de S. Vicente de Fora foi construído em 1765, por João Fontanes de Maqueira, como nele está inscrito, e foi restaurado, em 1994, pelos organeiros Christine Vetter e Claudio Rainolter.

O órgão, com “mais de três mil tubos, distribuídos por dois teclados e 60 meios Registos”, é “um dos maiores instrumentos históricos de Portugal e um dos mais bem preservados do património organístico português”, segundo a organização. A direção artística deste ciclo é de João Vaz, professor da ESML, responsável pela programação do Festival de Órgão da Madeira e dos concertos de órgão na Basílica de Mafra. No ano passado, assistiram ao ciclo de órgão de S. Vicente de Fora cerca de 6.000 pessoas, segundo dados da organização.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)