Greve

Em momentos de emergência, João Pina cria sites para ajudar as pessoas 

375

Criou o janaodaparaabastecer.vost.pt na terça-feira, quando o combustível começou a faltar nos postos de gasolina. Já antes, João Pina tinha criado o fogos.pt e o suprimidos.pt. Diz que quer ajudar.

O programador João Pina, também conhecido pelo nome de guerra “Tomahock”, está a viver esta crise dos combustíveis de forma diferente. Esta terça-feira de manhã, quando começavam a surgir as primeiras notícias que levaram à corrida às bombas de combustível, os “voluntários digitais em situações de emergência” do Vost Portugal entraram em ação. Estes auxiliares digitais que “trabalham para a invisibilidade e sempre com transparência”, como explica o site do projeto, criaram um documento partilhado para que todos pudessem partilhar informação sobre que postos de abastecimento ainda têm gasolina e gasóleo. “Assim que criaram o formulário e o vi, decidi pôr tudo num site”, conta João Pina ao Observador. No final da manhã, o janaodaparaabastecer.vost.pt/ estava criado e estes dias de João ficaram mais preenchidos, além do trabalho que já tem como diretor de tecnologia na startup Fluxio.

Digitalmente, João Pina está habituado a cenários de emergência em que é preciso um teclar especial para ajudar o Estado. Em 2015, “Tomahock” criou o fogos.pt “para ajudar amigos bombeiros”. Nesta plataforma, que se mantém a funcionar, é possível ver os incêndios ativos no país. Além disso, criou também a plataforma suprimidos.pt, na qual é possível ver os comboios suprimidos em Portugal. Criar o “já não dá para abastecer” foi apenas mais um passo nesta programação informática voluntária. Para fazer o site, demorou cerca de meia hora, explica. O problema é a manutenção que tem feito regularmente desde terça-feira quando a página foi publicada.

“Deitei-me mais tarde do que é normal para ir ver se havia problemas nos servidores”, diz Tomahock. Esta quarta-feira, foi apenas à 1h30 da manhã que foi dormir e, às 7h30, já estava a pé a ver como estava o site e garantir que continuava no ar. João Pina refere que sem a ajuda dos cerca de 30 voluntários do Vost Portugal, “que estiveram até às 5 da manhã a limpar dados para evitar os duplicados e asneiras”, não seria possível validar a informação que está na plataforma. Há “imensa gente” que utiliza o formulário para “gozar” e, logo que o “já não dá para abastecer” foi para o ar houve quem criasse um bot — algoritmo que automaticamente faz ações em sites — para deturpar a informação.

“[No Twitter, o programador desabafa de quem utiliza o formulário para deturpar a informação no site]”

Na altura de maior procura, a plataforma de informação teve cerca de 10 mil utilizadores ao mesmo tempo. Ao todo, cerca de 740 mil utilizadores únicos já visitaram “já não dá para abastecer”, num total de cerca de dois milhões de visitas até à tarde desta quarta-feira.

Tudo isto acontece enquanto João Pina está a trabalhar. Como tinha o depósito quase vazio, na terça-feira de manhã ainda foi a tempo de abastecer. Foi para o trabalho, como sempre, de comboio e, depois de chegar, foi “espreitando o que se passa”. “Felizmente não há fogos”, desabafa. Nessas alturas, manter no ar o fogos.pt consegue também tirar bastante tempo ao programador, que agora ajuda a manter informados os condutores à procura de combustível.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)