Família Real Britânica

Acusações de racismo, vigarice e de gravidez “falsa”: como Meghan Markle tem sido vítima das redes sociais

Há quase um ano que a ex-atriz é alvo de páginas criadas no Instagram, Facebook, Twitter e 4Chan e 8Chan para a criticar. #duchessofdeception é só uma das tags sob a qual é atacada.

Meghan Markle the Farce é uma das páginas do Facebook que denigrem a imagem da duquesa de Sussex

Chris Jackson/Getty Images

Já passou quase um ano desde que Harry e Meghan se casaram. Foi a 19 de maio que o príncipe meteu a aliança no dedo da atriz, no Castelo de Windsor. E a partir daí a duquesa de Sussex não deixou de ser alvo de vários insultos. Tal como conta a Sky News, Meghan tem recebido duras críticas, principalmente via redes sociais, que vão desde ataques racistas até à acusação de que a gravidez é falsa.

É atrás dos ecrãs que se conspira contra o mais recente membro da família real britânica, se mandam mensagens abusivas e se partilham teorias da conspiração. E a parte mais estranha, da investigação que Sky News enviou à Storyful, é que esta comunidade de contas tem muitos membros que se dizem fãs da família de Isabel II. Estas contas usam muitas vezes as mesmas hashtags para criticar Meghan: #duchessofdeception, #duchessofdeceit, #charlatanduchess, #difficultduchess, #duchessofexcess, ou #moonbump.

INSTAGRAM

A criação de uma conta no Instagram pelo casal no início deste mês com o nome SussexRoyal, não livrou Harry e Meghan dos “ataques”. A conta possui fotos profissionais e já tem 4 milhões de seguidores, mas nem todos estão do lado do jovem casal.

Mas os detratores dos duques de Sussex não se ficam por aí. Há uma conta com mais de 14 mil seguidores serve para publicar quase única e exclusivamente críticas a Meghan, seja pelos seus hábitos de consumo, seja para dizer que a sua gravidez é “falsa”.

FACEBOOK

O Facebook é outra das redes sociais usadas para apontar o dedo à duquesa, incluindo as páginas Maggot Markle ou Meghan Markle the Farce. Não é raro apareceram comentários racistas, ou que a acusam de ser “falsa” ou “vigarista”. Numa das páginas, foi feita uma montagem para parecer que a duquesa estava a fumar um charro e noutra foi escrito um comentário que dizia: “Meghan Markle, a duquesa charlatã que enganou a família real”.

TWITTER

Existe um grupo de 20 contas Twitter que usam frequentemente termos como “Maggot Markle” (Larva Markle) ou “Megxit” (referência ao Brexit). As publicações costumam incluir muitas hashtags a criticar a duquesa e conseguem obter centenas de “gostos”. Na lista dos hashtags mais populares estão chavões como: #theroyalhouse, #royalbaby, #duchessofdeceit ou #duchessofdeception.

4Chan & 8Chan

Foram encontradas mensagens nestas plataformas a orquestrar ataques à duquesa. Estes dois sites são uma espécie de Twitter, mas permitem que os utilizadores façam publicações anónimas sem possuir uma conta, lavando as mãos de qualquer responsabilidade. Para além disso, os utilizadores fazem posts por tópicos que desaparecem sem deixar rasto passado um certo período de tempo. Esta ferramenta é usada por um grande número de pessoas de extrema-direita e já foi palco para vários comentários racistas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)