O documentário “Portuguese in Hawaii”, que revela a dimensão e alcance da diáspora portuguesa no Havai, vai ter estreia nacional na ilha da Madeira a 27 de abril, disse à Lusa o realizador do filme, Nelson Ponta-Garça.

O documentário será exibido no auditório do Centro Cultural John dos Passos, em Ponta do Sol, numa estreia a convite do governo regional no âmbito das comemorações dos 600 anos do Descobrimento das ilhas da Madeira e do Porto Santo.

“Estrear na Madeira é fantástico”, afirmou Nelson Ponta-Garça, apontando para o facto de os seus dois documentários anteriores, “Portuguese in California” e “Portuguese in New England”, se terem focado no legado dos Açores, “de onde é oriunda a maior parte dos portugueses na América”.

Começar pela Madeira para a primeira exibição do documentário em território nacional “faz todo o sentido”, segundo o realizador, porque “uma grande percentagem” dos luso-descendentes que vivem no Havai são oriundos da ilha portuguesa.

A estimativa é de que mais de 10% da população do arquipélago do Havai, que totaliza 1,428 milhões de habitantes, seja luso-descendente.

Nelson Ponta-Garça considerou ainda que “esta vai ser uma forma de aproximar a Madeira e o Havai”, revelando que o evento terá a presença de uma representação da “Big Island”, onde se estima que metade da população possa ter origem portuguesa.

Ainda sem acordos finais, o realizador explicou que estão a decorrer conversações com vários canais de televisão “para ver a forma de melhor promover a realidade portuguesa no Havai e na América”.

Enquanto isso, já está confirmado que o documentário será disponibilizado na plataforma de streaming Amazon Prime Video, e também poderá ser visualizado através do Vimeo.

Com duração de 42 minutos, o filme tem produção executiva da diretora do Imiloa Astronomy Center de Hilo, a luso-descendente Marlene Hapai, e inclui mais de 40 entrevistas, desde líderes comunitários ao comediante Frank DeLima e o cantor Glenn Medeiros.

O primeiro imigrante português de que há registo no arquipélago é João (John) Elliott de Castro, que segundo a Biblioteca do Congresso chegou em 1814 e foi médico do rei Kamehameha.

O documentário teve o patrocínio da FLAD – Fundação Luso-Americana e do Governo Regional dos Açores, sendo também uma co-produção da RTP.

No próximo mês, será exibido o filme “Portuguese in New England”, que precedeu o documentário no Havai, durante as Festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres, “que reúnem mais de 100 mil pessoas em São Miguel”.

Ponta-Garça referiu também que já está a trabalhar na produção do próximo documentário, um filme mais abrangente que deverá estar pronto em 2020 e se vai debruçar sobre os portugueses em todos os Estados Unidos da América.