Cerveja Artesanal

Chá, café, laranjada… Ou cerveja artesanal produzida a 40 mil pés de altitude?

A cervejeira escocesa BrewDog juntou-se à companhia aérea British Airways para criar a primeira cerveja artesanal feita a bordo de um avião, a 500 milhas por hora.

James Watt (à esq.) e Martin Dickie (dir.) são os fundadores da cervejeira escocesa BrewDog

“Chá, café ou laranjada?” — a pergunta cliché associada a todo o pessoal de cabine da aviação comercial acaba de ganhar uma nova alternativa, “cerveja artesanal.” O mais simples seria esperar que se começasse a servir este tipo de bebidas nos aviões, mas não, pelo menos não foi isso que a British Airways e a cervejeira escocesa BrewDog quiseram fazer. Indo mais longe, esta dupla conseguiu criar a primeira cerveja artesanal feita a 40 mil pés de altitude em honra do 100º aniversário da icónica empresa britânica.

A “Speedbird 100” é portanto uma Indian Pale Ale que nasceu a bordo de um Boeing 787 Dreamliner pelas mãos de Martin Dickie e James Watt, os dois responsáveis por esta empresa de cervejas. Com a ajuda da tripulação da British Airways, os cervejeiros aproveitaram as cafeteiras do avião — “parece que foram feitas para fazer cervejas”, comenta um dos cervejeiros no vídeo de apresentação deste projeto — para dar inicio à produção da cerveja, misturando o lúpulo, a cevada e a água. A receita criada por Dickie e Watt foi pensada de propósito para o consumo no ar, adaptando-se à reduzida sensibilidade do paladar e olfato que se verifica a grandes altitudes.

Embalada em latas personalizadas, esta cerveja estará disponível em voos de médio e longo curso bem como em alguns “lounges” de aeroporto a partir de dia 1 de maio. Dickie explica que “o elemento chave é a amargura e o sabor das frutas que não são afetados pela altitude. Por essa razão, queríamos jogar com estes dois fatores e reforçar o sabor doce. Esperamos que os passageiros da British Airways gostem da Speedbird 100 tal como nós gostamos”.

Este projeto caricato é uma iniciativa de marketing que procura ressalvar o 100.º aniversário da transportadora aérea britânica e faz parte de um programa de investimento que envolve 6,5 mil milhões de libras. Obviamente que toda a quantia não é utilizada no projeto das cervejas mas sim repartida entre atualizações no interior/equipamento de alguns aviões, na construção de novos “lounges” de aeroporto — como o que irá nascer no aeroporto de JFK, Nova Iorque, já na primavera, e será feito em parceria com a mesma BrewDog –, na abertura de 15 novas linhas bem como na produção de um relógio de luxo, feito com metal do famoso avião Concorde, feito em parceria com a marca britânica Bermont.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)