Angola

Mais um cidadão português assassinado em Angola, o quarto em dois meses e meio

3.734

Um português de 41 anos, de Montalvo, apareceu morto dentro da viatura num arruamento no sul de Luanda Sul. É o quarto cidadão português assassinado desde fevereiro deste ano e o terceiro deste mês.

"Confio nas autoridades angolanas e na capacidade que terão para investigar esses crimes até ao fim e num prazo razoável", sublinhou a ministra da Justiça portuguesa

AMPE ROGÉRIO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Um cidadão português foi assassinado na terça-feira à noite em Luanda, baleado com dois tiros na sequência de um assalto perpetrado alegadamente por duas pessoas que se faziam transportar numa motorizada, disse esta quarta-feira à agência Lusa fonte oficial.

Rui Vareta Machado, diretor financeiro da empresa Rojual – Gestão de Projetos, onde a vítima trabalhava, mostrou-se chocado com a situação e confirmou à Lusa o assalto seguido de assassínio de Pedro Gonçalves, afirmando desconhecer mais pormenores, uma vez que está a aguardar por um relatório da Polícia Nacional (PN) angolana, que já está a investigar o incidente. Só depois, prosseguiu, é que se tratará dos procedimentos para trasladar o corpo para Portugal, onde será sepultado.

Contactada pela Lusa, fonte policial angolana confirmou o homicídio, mas não adiantou pormenores. O português, de 41 anos, natural de Montalvo, concelho de Constância (Santarém), que apareceu morto dentro da viatura num arruamento em Belas, Luanda Sul, é o quarto cidadão português assassinado desde fevereiro deste ano e o terceiro no mês em curso.

No dia 16, um empresário português de 45 anos, gerente da empresa Food Love Market, residente em Angola, foi encontrado sem vida, com as mãos amarradas, na casa de banho da sua residência num condomínio no bairro do Kilamba, arredores de Luanda. Para já, desconhece-se o móbil do crime que vitimou o empresário, natural de Carrazeda de Ansiães (distrito de Bragança, nordeste de Portugal) e que viveu na Cidade do Cabo, onde tem família, até há cerca de um ano, quando se mudou para Luanda e abriu a empresa.

Quatro dias antes, outro cidadão português, de 62 anos, mecânico de profissão, foi também morto a tiro na sequência de um assalto perpetrado por três homens, que lhe roubaram a motorizada à porta da sua residência, no Bairro do Zango III, tal como contou à Lusa o irmão da vítima.

Segundo a mesma fonte, o crime foi testemunhado pela filha da vítima, de sete anos, adoentada com paludismo e que acompanhava o pai para ir à farmácia comprar medicamentos.

A 21 deste mês, num comunicado, o Ministério do Interior angolano indicou ter detido um suspeito da morte deste português, mas não adiantou pormenores, limitando-se a adiantar a detenção “por presumível prática do crime de homicídio voluntário, concorrido com o roubo qualificado de uma motorizada”. No documento é referido que o suspeito “também é confesso no crime de homicídio frustrado” de um cidadão da Guiné Conacri.

A 3 de fevereiro último, outro empresário português, de 85 anos, natural de Trás-os-Montes, foi encontrado morto no quarto da sua residência em Malanje, 380 quilómetros a leste de Luanda, com a cabeça ensanguentada.

Na ocasião, o porta-voz do Serviço de Investigação Criminal (SIC) angolano em Malanje, Lindo Ngola, confirmou que a morte do empresário português foi provocada por “meliantes não identificados”, que lhe desferiram “vários golpes na cabeça com objetos contundentes”.

A morte do proprietário do Restaurante Capri e da Tété e Gouveia Limitada foi considerada pela polícia como um “homicídio qualificado” praticado por “elementos não identificados”.

Há cerca de uma semana, e questionada pela Lusa no final da visita de trabalho de três dias que efetuou então a Angola, a ministra da Justiça portuguesa, Francisca Van Dunem, manifestou a preocupação do Governo de Lisboa com os assassínios de cidadãos portugueses no país lusófono, sublinhando, porém, confiar na capacidade de investigação das autoridades angolanas.

É óbvio que essa é uma questão que nos preocupa. Essas questões são tratadas através dos canais diplomáticos normais com as autoridades angolanas, no sentido do esclarecimento das circunstâncias destes crimes”, afirmou Francisca Van Dunem, salientando, porém, que o assunto é do foro judiciário.

“Estamos a falar de questões que estão no foro judiciário e, por isso, respeitamos, temos todo o interesse e damos todo o apoio que for necessário e que nos for pedido ao nível das investigações. Mas confio nas autoridades angolanas e na capacidade que terão para investigar esses crimes até ao fim e num prazo razoável”, sublinhou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)