Rádio Observador

Ordem dos Médicos

Ordem avança com auditoria sobre processo de formação especializada de médicos

401

A Ordem dos Médicos vai iniciar uma auditoria externa e independente por preocupação com as condições proporcionadas pelo SNS, com médicos a ficarem sem acesso a uma vaga de especialidade.

A Ordem entende que não se pode permitir que a "qualidade e excelência" da formação médica em Portugal "seja colocada em risco"

Hugo Delgado/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Ordem dos Médicos vai avançar com uma auditoria externa e independente para avaliar o processo de atribuição de capacidades formativas para a formação especializada de jovens médicos.

Em comunicado, a Ordem justifica a decisão de uma auditoria externa e independente ao processo de atribuição de idoneidade e capacidade formativa no internato médico com a “preocupação com as condições proporcionadas pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS), com médicos a ficarem sem acesso a uma vaga de especialidade”.

Perante o agravamento do desinvestimento no SNS, o preocupante desinteresse do Ministério e tendo em conta vários relatos e queixas de especialistas e de jovens médicos sobre as difíceis condições em que exercem o seu trabalho e a sua formação, a Ordem não podia esperar mais e iniciou o procedimento de concurso aberto para a contratação de uma empresa idónea e independente para realizar uma auditoria”, refere o comunicado divulgado esta segunda-feira.

A auditoria deve identificar e analisar o processo de atribuição de idoneidades e capacidades formativas, bem como os “constrangimentos existentes ao nível dos hospitais e centros de saúde que possam ter impacto” na formação de médicos.

O objetivo final da auditoria é “melhorar todo o processo” de atribuição de idoneidade e capacidade formativa, “no sentido de continuar a garantir a elevada qualidade de formação e disponibilizar todas as capacidades formativas existentes nas várias unidades de saúde que assegurem internatos de qualidade inquestionável”.

A Ordem entende que não se pode permitir que a “qualidade e excelência” da formação médica em Portugal “seja colocada em risco”, seja por uma eventual quebra de qualidade, seja porque vários médicos ficam sem acesso a uma especialidade.

Numa entrevista à agência Lusa há cerca de duas semanas, o bastonário Miguel Guimarães já tinha levantado a possibilidade de ser necessária uma auditoria externa e independente, que já tinha sido aliás proposta ao Ministério da Saúde “há dois anos”.

Lembrando que há médicos que em Portugal não têm acesso à especialidade, muito porque há jovens formados noutros países que tiram a especialidade em hospitais portugueses, o bastonário indicava que seria importante fazer uma auditoria sobre todo o processo que envolve a formação dos médicos para ver onde é possível melhorar.

Este era um dos projetos que a Ordem já tinha negociado com o anterior ministro da Saúde, mas que, entretanto, não avançou, recordou ainda Miguel Guimarães na entrevista à Lusa.

A Ordem decidiu agora avançar sozinha para o processo de auditoria, através de um concurso aberto para a escolha de uma empresa que realize esta avaliação.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)