Rádio Observador

CP

CP contabiliza 89 supressões de comboios em quatro dias na Linha de Sintra

188

"A CP e a Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário continuam a trabalhar para que, no mais breve espaço de tempo possível, sejam repostos os níveis de disponibilidade do material circulante".

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A Linha de Sintra registou hoje mais 14 supressões de comboios, prevendo-se outras duas até ao final do dia, aumentando para 89 desde segunda-feira, devido à imobilização de material circulante, informou fonte oficial da CP – Comboios de Portugal.

Segundo o gabinete de comunicação da CP, “no período da manhã ocorreram quatro supressões” e “entre as 14:00 e as 17:30 registaram-se 10 supressões”, estando previstas, até ao final do dia, “mais duas supressões”. Assim, de acordo com a mesma nota da empresa ferroviária, na Linha de Sintra “ocorreram 14 supressões, número que deverá subir para as 16 até ao final do dia”.

Uma fonte oficial da transportadora acrescentou que, na quarta-feira, além das 13 supressões registadas até meio da tarde, não se realizaram mais três comboios até ao final desse dia, totalizando 16 imobilizações.

Na segunda-feira não se realizaram 20 comboios, na hora de ponta da tarde, enquanto as restantes cerca de três dezenas e meia de supressões de terça-feira ocorreram maioritariamente na ligação entre o Rossio (Lisboa) e Meleças (Sintra).

De acordo com os dados da CP, contando com as duas imobilizações previstas até ao final do dia, por motivo de “reparação ou para manutenção”, a circulação na Linha de Sintra foi afetada, desde segunda-feira, por um total de 89 supressões.

“A CP e a EMEF [Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário] continuam a trabalhar para que, no mais breve espaço de tempo possível, sejam repostos os níveis de disponibilidade do material circulante, o que deverá ocorrer nos próximos dias”, afirmou a empresa responsável pela principal linha suburbana de Lisboa.

Na sequência das dezenas de supressões de comboios desde segunda-feira, a concelhia do PSD de Sintra, presidida por Ana Valente, apelou hoje, em comunicado, ao “direito à mobilidade”.

Para o PSD sintrense, o excesso de imobilizações resulta de “falta de manutenção do material provocada por uma política de desinvestimento nos serviços prestados às populações”, levada a cabo pelo Governo socialista “suportado” pelo PCP e Bloco de Esquerda.

Os sociais-democratas salientam que o Governo “anunciou com pompa e circunstância a redução do preço dos passes sociais como sendo a medida com mais impacto social da legislatura”.

Uma decisão que aprovam desde que seja “acompanhada de bons serviços de transportes públicos que garantam aos cidadãos o seu direito fundamental à mobilidade”.

“Sem comboios, sem autocarros, sem camionetas, a redução do preço do passe social não passa de uma medida eleitoralista, de uma medida de propaganda”, frisou a estrutura local “laranja”.

O PSD de Sintra apoia a redução do preço dos passes sociais “desde que não dê apenas acesso a uma gare sobrelotada ou a uma paragem de autocarros”.

Para a concelhia social-democrata “não chega o reconhecimento pelo senhor presidente da câmara e a solidariedade do senhor ministro das Infraestruturas de que a situação é intolerável”, exigindo soluções para a situação.

O PSD de Sintra exigiu, por isso, que os munícipes “não se amontoem em gares ou em comboios sem condições dignas de circulação” e que “o respeito pelo direito de mobilidade” seja assegurado a todos os sintrenses.

“O que está a acontecer em Sintra em matéria de transporte ferroviário é intolerável. Já falei com o senhor ministro Pedro Nuno Santos e estou inteiramente solidário com ele, porque é o primeiro a reconhecer que esta situação é intolerável”, afirmou à Lusa o presidente da câmara, Basílio Horta (PS), após ter falado com o ministro das Infraestruturas e da Habitação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)