Moçambique

Hidroeléctrica de Cahora Bassa lança OPV, a maior operação em bolsa de Moçambique

A HCB vai realizar uma Oferta Pública de Venda de 2,5% do capital através de 680 milhões de ações a quatro cêntimos de euro. A operação vai ser liderada por um consórcio constituído pelo BCI e o BIG.

A admissão a cotação está marcada para 22 de julho e ainda não há data para dispersão dos restantes 5% de capital a levar para a bolsa

Autor
  • Agência Lusa

A Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB) vai realizar uma Oferta Pública de Venda (OPV) de 2,5% do capital através de 680 milhões de ações a três meticais (quatro cêntimos de euro) cada, anunciou esta segunda-feira a empresa pública.

Trata-se da primeira fase de venda de 7,5% do capital da HCB.

“A decisão dos acionistas coloca à disposição dos moçambicanos uma soberba oportunidade de adquirir ações de uma empresa próspera e saudável”, naquela que será a “maior operação em bolsa” jamais realizada em Moçambique, referiu Pedro Couto, presidente do conselho de administração da HCB.

A operação “vai certamente dar um impulso no mercado de capitais no país” e “mais importante que os números, a OPV dá um sinal concreto de empoderamento económico dos moçambicanos”, acrescentou.

Esta será a quinta OPV da Bolsa de Valores de Moçambique (BVM) e será acompanhada de campanhas de divulgação destinadas a explicar ao público como funciona o processo e um mercado de ações.

A subscrição decorre de 17 de junho a 12 de julho e é dirigida a cidadãos e empresas moçambicanas, decorrendo o apuramento a 17 de julho e a liquidação no dia seguinte.

A admissão a cotação está marcada para 22 de julho e ainda não há data para dispersão dos restantes 5% de capital a levar para a bolsa.

A BVM existe há 20 anos, tem oito empresas cotadas e no primeiro trimestre deste ano transacionou o equivalente a 9,8 milhões de euros, atingindo no final do período uma capitalização bolsista total acumulada de 1,263 milhões de euros (cerca de 9% do Produto Interno Bruto de Moçambique).

A operação vai ser liderada por um consórcio constituído pelo Banco Comercial e de Investimentos (BCI) e Banco BIG.

A HCB tem vendas fixas contratadas de 1.100 megawatt (MW) por ano à elétrica sul-africana Eskom, 300 à Eletricidade de Moçambique (EDM) e 50 à companhia elétrica estatal da Zâmbia (Zeza).

Entre os destaques recentes apresentados esta segunda-feira pela administração está o aumento de receitas em cerca de 43% em 2018, resultado da revisão em alta dos preços acordados com a África do Sul.

“A gestão empreendida” e a “negociação de sucesso” com a Eskom, permitiram “contrariar a redução de produção de energia com um aumento de receitas”, destacou o administrador, Manuel Gameiro.

Um cenário atrativo para investidores, referiu, sublinhando o histórico de lucros, o balanço praticamente livre de quaisquer ónus e uma política de dividendos que distribui 25% dos resultados pelos acionistas.

A dispersão em bolsa foi anunciada em 27 de novembro de 2017 pelo Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, durante as celebrações do 10.º aniversário da reversão da hidroelétrica de Portugal para Moçambique, classificando a medida como “um ato de inclusão e transparência” financeira.

Situada no rio Zambeze, na província de Tete, centro de Moçambique, a barragem é a maior da África Austral, com construção iniciada em 1969, ainda no período colonial, e operação a partir de 1977.

A hidroelétrica abastece a África do Sul e o sul Moçambique com uma produção anual que tem rondado os 13.700 gigawats (GWh), afetada pela seca dos últimos anos na região austral, apontando para uma meta de produção de 14.809 GWh em 2019.

A empresa tem em curso um plano de modernização denominado CAPEX Vital 10 anos que ronda 500 milhões de euros e que prevê investimentos na barragem, central de geração, subestações do Songo e de Matambo e nas linhas de transporte de energia, visando aumentar a fiabilidade técnica e operacional.

O Estado detém 85% das ações da HCB, 7,5% pertencem à redes Energéticas Nacionais (REN), empresa de transporte de energia de Portugal e outros 7,5% são ações próprias.

A HCB foi uma das empresas afetadas pelo ciclone Idai, que destruiu várias infraestruturas e matou 603 pessoas no centro de Moçambique em março.

A tempestade danificou as linhas de fornecimento de energia elétrica ao sul de Moçambique e à África do Sul que seriam repostas no início deste mês.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Moçambique

Está Moçambique a gelar relações connosco?

José Ribeiro e Castro
793

Há três anos que o empresário português Américo Sebastião foi raptado, há três anos que o Estado moçambicano continua a resistir e a recusar a cooperação judiciária várias vezes oferecida por Portugal

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)