Rádio Observador

Basquetebol

Benfica ganha no Dragão, limpa série com FC Porto e vai jogar final do Campeonato com a Oliveirense

151

Depois dos dois triunfos na Luz, Benfica foi ao Dragão Caixa e fechou meia-final com o FC Porto em três jogos, vencendo por 77-68. Águias voltam à final para defrontarem a campeã Oliveirense.

Micah Downs voltou a ser determinante na terceira vitória do Benfica no clássico que valeu a qualificação para a final

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Depois do equilíbrio que marcou o primeiro encontro da meia-final do Campeonato de basquetebol entre Benfica e FC Porto na Luz, com a vitória a cair para os encarnados nos minutos finais por 89-92, o jogo 2 desta série do playoff foi daqueles onde tudo o que podia correr bem às águias correu ainda melhor e tudo o que podia correr mal aos dragões correu ainda pior (84-61). Os lisboetas ficavam apenas a um triunfo de garantirem o acesso à final e uma espécie de “vingança” do afastamento precoce do ano passado mas havia também uma questão de orgulho à mistura no jogo 3 realizado no Dragão Caixa.

Ao longo de 40 minutos, a questão mental e a experiência acabaram por fazer a diferença. Houve muito mérito dos conjuntos em termos defensivos, com uma pontuação mais baixa do que tem sido habitual nos clássicos da presente temporada, mas a maior diferença seria feita em dois outros pontos: a experiência para gerir a vantagem nos últimos minutos por parte dos encarnados e o receio que os azuis e brancos tiveram de falhar nos momentos decisivos. Contas feitas, o FC Porto termina a época com a conquista da Taça de Portugal e falha à fase decisiva pela primeira vez nos últimos sete anos sempre com Moncho López no comando, ao passo que o Benfica, agora com Carlos Lisboa, vai poder lutar pelo regresso aos triunfos no Campeonato.

Ao contrário do que aconteceu nesse segundo jogo, e numa ideia comum às duas equipas, as percentagens mais baixas de lançamento acabaram por condicionar o primeiro período, que terminou com os dragões em vantagem por apenas um ponto (17-16) em reflexo também da superioridade que as defesas foram conseguindo face aos ataques. No entanto, nos dez minutos seguintes até ao intervalo onde os encarnados alcançaram a maior diferença da metade inicial (30-25, com um parcial de 9-0 nessa fase do encontro), houve uma ligeira melhoria dos dois conjuntos entre alguns turnovers, com um ascendente inicial do Benfica a que o FC Porto respondeu de seguida da melhor forma. No descanso, águias na frente por um ponto (38-37).

No reatamento, os dragões voltaram a ter um arranque prometedor que lhes permitiu passar para a frente e criar uma mini vantagem de quatro pontos com pouco mais de três minutos jogados (47-43) mas um triplo de Fábio Lima e mais um cesto de dois de Micah Downs voltaram a equilibrar umas contas que terminariam outra vez com as equipas muito juntas no resultado (56-54 para os encarnados), deixando tudo em aberto para os últimos dez minutos do encontro.

Depois de novo reatamento com ascendentes repartidos, o Benfica conseguiu “cavar” uma vantagem de seis pontos (64-58) que poderia tornar-se decisiva mas o FC Porto ainda teve pulmão suficiente para ir buscar o resultado e empatar a partida com um triplo de Pedro Pinto que fez o 66-66 antes de Downs e Gladness voltarem a colocar a diferença em duas posses de bola que, com a experiência do argentino Juan Pablo Cantero e do capitão Tomás Barroso, foram geridas até ao 77-68 final que colocou os encarnados na fase decisiva do Campeonato frente à Oliveirense, líder da fase regular.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)