Crianças

Ingestão de alimentos mais energéticos na infância causa alterações metabólicas

2.650

As crianças que aos 7 anos têm um padrão alimentar rico em alimentos como o fiambre, salsichas, queijo, chouriço, bolos e refrigerantes, têm "já alterações cardiometabólicas aos 10 anos".

O que se come na infância tem as primeiras consequências logo aos 10 anos, conclui estudo

Leonardo Munoz/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) concluiu que as crianças que aos 7 anos consomem alimentos mais energéticos e processados têm “um maior risco” de aos 10 anos manifestarem alterações cardiometabólicas.

Em declarações à Lusa, Andreia Oliveira, coordenadora do estudo, explicou esta quarta-feira que as crianças que aos 7 anos têm um padrão alimentar rico em alimentos de elevada densidade energética e processados, como o fiambre, salsichas, queijo, chouriço, bolos e refrigerantes, têm “já alterações cardiometabólicas aos 10 anos”.

“As alterações podem não representar doença, mas sabemos de estudos anteriores que indicam que quando há alterações em idades tão precoces, normalmente, estas crianças vão ter mais probabilidades de desenvolver doença no futuro”, salientou.

A investigação, recentemente publicada na revista Clinical Nutrition, avaliou 3.500 crianças da Geração XXI (projeto do ISPUP que acompanha o crescimento e o desenvolvimento de mais de oito mil crianças da cidade do Porto) aos 7 e aos 10 anos.

Segundo explicou a investigadora, aos 7 anos as crianças foram avaliadas tendo em conta um “questionário de frequência alimentar” e aos 10 anos foram submetidas a uma colheita de sangue para a análise de “alguns parâmetros metabólicos”, como o colesterol, os triglicéridos e a pressão arterial.

Além desta avaliação, as investigadoras do ISPUP também recolheram informações sobre as “variáveis que podem confundir esta associação”, como o peso da criança ao nascimento, a escolaridade dos pais, a atividade física da criança e o seu género.

“Os resultados que temos são ajustados para estas variáveis, independentemente do efeito que possam ter”, afirmou Andreia Oliveira, adiantando, no entanto, que “o estatuto socioeconómico e o ambiente familiar são sempre os principais determinantes”.

Segundo a investigadora, os resultados apontam que, “independentemente destas características, existe na mesma uma relação entre este padrão e as alterações metabólicas, mas sem dúvida que parte destas alterações vêm muito do contexto socioeconómico destas famílias”.

Para Andreia Oliveira, é por isso necessário “educar os pais” para esta temática, uma vez que a família desempenha “um papel fundamental em modelar as escolhas e fornecer os alimentos mais adequados às crianças”.

“Mais do que propriamente algumas características genéticas ou hereditárias, o comportamento e aquilo a que a criança é submetida nos primeiros anos de vida, todo um ambiente, é essencial”, concluiu.

À Lusa, Andreia Oliveira adiantou que o grupo de investigação está já a fazer a avaliação “aos adolescentes com 13 anos” da Geração XXI, com o objetivo de “perceber se o efeito se mantém” e se as alterações metabólicas vão “representar doenças no futuro”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)