Rádio Observador

Ensino Superior

Ensino Superior. Cortes em Lisboa e Porto “deixam de ser cegos” e agradam aos reitores

Conselho de Reitores dá luz verde à proposta de fixação de vagas do Governo que prevê que cursos superiores com médias de acesso altas possam aumentar vagas. Falta parecer dos Politécnicos.

Segundo o presidente do CRUP, Fontainhas Fernandes, “o despacho é, claramente, um avanço”

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Os reitores estão satisfeitos. Este ano, os cortes de vagas nas universidades de Lisboa e do Porto “não serão cegos” e, apesar de propor algumas alterações à proposta do Governo de fixação de vagas no Ensino Superior, o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) deu luz verde ao documento. Antes de o ministério de Manuel Heitor publicar o despacho em Diário da República, a tutela terá ainda de receber o parecer do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), o que deverá acontecer nos próximos dias.

Segundo a proposta de despacho, os cursos superiores procurados por candidatos com 17 ou mais valores poderão aumentar o número de vagas em pelo menos 5%, inclusive nas instituições de Lisboa e do Porto.

Depois de no ano passado a redução de vagas nas instituições de Lisboa e Porto ter criado descontentamento entre os reitores, que criticaram a decisão do governo, este ano as alterações introduzidas pelo Ministério do Ensino Superior apaziguaram os ânimos. A proposta de projeto recebida pelos reitores “mantém a opção, tomada em 2018, de discriminar positivamente as instituições sedeadas no interior do país, racionalizando vagas em Lisboa e no Porto”, explica o CRUP em comunicado, mas com uma ressalva: “O Governo considera que as medidas de redistribuição de vagas no ensino superior público devem ser aprofundadas, ponderando critérios adicionais para além da localização geográfica da instituição.”

E são exatamente esses critérios adicionais que “são a chave do parecer positivo do CRUP”, explicam os reitores das 14 universidades públicas e da Universidade Católica em comunicado.

“O projeto de despacho é um avanço”, afirma Fontainhas Fernandes, presidente do conselho de reitores, na nota enviada às redações. “O Governo mantém preocupações com a coesão territorial, mas passa a atender a outros fatores igualmente importantes.”

“A possibilidade de mesmo em Lisboa e no Porto ser possível aumentar o número de vagas entre 5 e 15% nos cursos procurados pelos estudantes que terminam o secundário com média superior a 17 valores, é um dos critérios que o CRUP considera uma abordagem mais adequada, porque mais complexa, à alteração do modelo de fixação das vagas”, lê-se ainda no comunicado.

Também a criação de condições para “a construção de um perfil de especialização das instituições” merece o apoio do CRUP que, apesar de tudo, propõe algumas alterações ao despacho como, por exemplo, repensar a redução do número de vagas dos cursos em regime pós-laboral.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: akotowicz@observador.pt
Economia

Liderança: um diálogo pai-filho /premium

José Crespo de Carvalho

Podes ter a melhor das intenções, as características pessoais que achas apropriadas ou mais valorizas, a visão e a estratégia para o exercício da liderança. Mas a cultura, se não ajudar, estás morto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)