Rádio Observador

China

China acusada de executar prisioneiros para tráfico de órgãos

167

Tribunal de Londres garante ter provas de que a China continua a matar prisioneiros para transplantes de órgãos. Entre as vítimas estão seguidores de um movimento religioso.

WU HONG/EPA

Autor
  • Beatriz Ferreira
Mais sobre

A China continua a executar prisioneiros para a colheita de órgãos, de acordo com o The Guardian, que cita as conclusões de um tribunal independente de Londres. Entre as vítimas estão seguidores do movimento religioso Falun Gong, perseguidos desde 1999, revelou Geoffrey Nice QC, líder do mesmo tribunal.

“A conclusão mostra que muitas pessoas morreram indescritivelmente sem qualquer motivo, que mais podem sofrer de forma semelhante e que todos nós vivemos num planeta onde a extrema maldade pode ser encontrada no poder daqueles, por enquanto, administram um país com uma das civilizações mais antigas conhecidas pelo Homem moderno”, referiu o responsável.

A perseguição ao movimento Falun Gong começou em 1999, depois de o grupo ter angariado milhões de seguidores e de ser visto como uma ameaça ao partido comunista. Em 2014, o Governo chinês garantiu que a colheita de órgãos para transplante de prisioneiros chegaria ao fim. Mas, segundo Geoffrey Nice QC, “não há provas de que a prática tenha acabado”. Para estas conclusões, o tribunal baseia-se em relatos de especialistas médicos e investigadores em direitos humanos.

Na China, o tempo de espera para um transplante é baixo (de apenas algumas semanas), segundo o tribunal. Uma ativista do movimento, que esteve num campo de trabalho para mulheres, explicou que os prisioneiros são submetidos repetidamente a exames e análises clínicas e questionados sobre doenças. “No dia em que fomos transferidos para o campo de trabalho, fomos levados para um centro médico onde fizemos check-ups físicos. Fomos interrogados sobre as doenças que tivemos e eu disse-lhes que tinha hepatite”, explicou.

A ativista acrescentou que os detidos não podiam trocar informações de contactos entre si. “Quando alguém desaparecia do campo, eu pensava que tinha sido libertado. (…) Agora temo que tenham sido levados para o hospital e os seus órgãos removidos sem consentimento e mortos na sequência do processo.”

Ao The Guardian, a embaixada chinesa garantiu que as acusações não passam de “rumores” e que a “21 de março de 2007, o conselho estadual chinês promulgou o regulamento sobre o transplante de órgãos humanos, que obriga que doação de órgãos humanos seja feita de forma voluntária e gratuita”.

As estimativas do tribunal independente dão conta de 90 mil operações de transplante por ano, um número muito superior ao revelado por fontes oficiais do governo da China, segundo o qual o país respeita os padrões internacionais.

O tribunal teve acesso a depoimentos de transplantes que remontam a 1970. A maioria das provas, porém, datam dos anos 2000.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)