Rádio Observador

Aviação

Mulher acorda “completamente sozinha”, no escuro, fechada num avião da Air Canada

414

Tiffani Adams adormeceu num voo entre Quebec e Toronto. Quando acordou estava sozinha, presa dentro do avião, e sem bateria no telemóvel. Air Canada garante que está a investigar o caso.

Air Canada reconheceu o incidente, mas não quis comentar os procedimentos de desembarque

AFP/Getty Images

Autor
  • Beatriz Ferreira

Imagine que adormece numa viagem de avião e que, quando acorda, está completamente sozinho/a na aeronave, com frio, e numa imensa escuridão. Ainda tenta fazer uma chamada com o telemóvel, mas o aparelho está sem bateria. Foi precisamente isso que terá acontecido a Tiffani Adams, passageira de um voo da Air Canada, para quem a experiência foi “aterrorizante”. “Acho que estou a ter um pesadelo porque, a sério, como é que isto foi acontecer?”, disse, na página de Facebook da Air Canada, citada pelo jornal britânico The Independent.

Foi no passado dia 9 de junho, que Tiffani apanhou um voo em Quebec, com destino a Toronto, no Canadá. “Adormeci, pelo menos, a meio do curto voo de 1h50 minutos”, referiu, na mesma publicação, que entretanto já não está visível. “Acordei por volta da meia-noite (algumas horas depois de ter aterrado), cheia de frio, ainda com o cinto de segurança e numa escuridão completa (não se via mesmo nada)”, completou. Estava “completamente sozinha”.

Tiffani relata que ainda experimentou carregar o telemóvel, mas notou que a energia do avião tinha sido totalmente desligada. “Em pânico”, encontrou um walkie-talkie no cockpit, que também não funcionou, e uma lanterna, que usou para fazer sinais de luzes pela janela. Mas sem resposta.

Foi então que conseguiu abrir a porta principal do avião. Para evitar uma queda aparatosa de cerca de 15 metros, Tiffani inclinou-se, com a lanterna na mão, mais uma vez para chamar a atenção. E foi aí que, finalmente, um trabalhador responsável pelas malas dos passageiros veio em seu auxílio. “Ele perguntou como é que alguém me deixou no avião. Eu pergunto o mesmo”, escreveu a passageira. O mesmo funcionário ajudou Tiffani a sair do avião e acompanhou-a até ao interior do aeroporto.

Segundo Tiffani, a equipa da Air Canada ofereceu-lhe o transporte de limusina e uma estadia num hotel, que recusou. Acrescentou ainda que os representantes da companhia aérea lhe pediram desculpa e garantiram que iriam investigar. “Eu não tenho conseguido dormir devido aos terrores noturnos recorrentes”, afirmou, adiantando que acorda “ansiosa e com medo de que esteja sozinha, trancada nalgum lugar escuro”.

Em reação, a Air Canada reconheceu o incidente, mas não quis comentar os procedimentos de desembarque. Garantiu ainda que está a investigar a situação. “Ainda estamos a rever o assunto, por isso não temos mais detalhes para partilhar, mas acompanhamos a cliente e permanecemos em contacto com ela”, referiu a transportadora aérea, citada pelo The Independent.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)