Rádio Observador

TAP

Programa de escalas gratuitas da TAP ‘Stopover’ chega ao Rio de Janeiro

Acordo permite que turistas que fizerem conexão no Rio de Janeiro poderão permanecer na cidade entre dois a cinco dias, sem custo adicional. A medida entra em vigor até ao final deste ano

O programa "Brasil Stopover" já tinha sido anunciado pela TAP em março passado

Autor
  • Agência Lusa

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, e o presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves, acordaram, na terça-feira, lançar no estado brasileiro o ‘Stopover’, programa de escalas gratuitas da companhia aérea portuguesa.

De acordo com a carta de intenções assinada em Lisboa, turistas que fizerem conexão no Rio de Janeiro poderão permanecer na cidade entre dois a cinco dias, sem custo adicional, segundo uma publicação de Witzel na rede social Twitter.

“Hoje (terça-feira) o Governo do Rio de Janeiro fechou um acordo com a TAP para atrair mais turistas e negócios para o nosso estado. Quem vier da Europa pode estender a conexão no Rio de Janeiro por até cinco dias sem custo adicional. É mais emprego e renda para o povo fluminense”, declarou o governador.

Segundo a TAP, citada pelo jornal Globo, a medida entra em vigor até ao final do segundo semestre deste ano, reafirmando o seu “compromisso com o Brasil”.

“Temos um compromisso com o Brasil. 25% dos assentos dos voos que vão para lá (Brasil) da Europa e que saem do Brasil para cá são da TAP. Temos a convicção de que o europeu quer visitar o Rio de Janeiro”, afirmou o presidente da Tap, que tem dupla nacionalidade (brasileira e portuguesa), e está à frente da companhia aérea desde o ano passado.

O programa “Brasil Stopover” já tinha sido anunciado pela TAP em março passado, na BTL – Bolsa de Turismo de Lisboa, tendo sido revelado que os passageiros poderiam ficar entre uma a cinco noites de estada em Brasília, Recife, Rio de Janeiro, Fortaleza ou Salvador, seguindo depois para outra cidade brasileira.

No entanto, sabe-se agora que, até ao final do ano, o Rio de Janeiro começará a receber os primeiros clientes desse programa da companhia aérea portuguesa.

Depois de assinado o acordo com a companhia aérea, o governante do Rio de Janeiro reuniu-se ainda em Lisboa com lideranças da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) e da Câmara de Comércio Luso Brasileira.

Witzel terminou na quinta-feira a sua viagem a Portugal, que segundo a sua assessoria serviu para fazer parcerias na área de turismo. O governador reuniu-se com o presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo.

“A troca de experiências com os irmãos portugueses segue firme. Conversei com o presidente do Turismo, Luís Araújo, sobre a atração de turistas para o Rio de Janeiro e Portugal, e a nossa expertise na realização de grandes eventos. O turismo é uma das saídas para resgatar o nosso estado”, escreveu Witzer no Twitter.

Porém, nem toda a viagem a Portugal correu da melhor forma para o político brasileiro, que viu conturbada a sua participação no Seminário de Verão da Universidade de Coimbra.

Witzel discursou no encerramento do seminário, mas foi interrompido por protestos de vários estudantes, maioritariamente brasileiros, que o chamaram de “golpista” e “fascista”. A juntar-se aos gritos de protesto “fascistas, golpistas não passarão”, os estudantes usaram ainda cartazes com as frases “Marielle presente” e “Marielle vive”, em referência ao assassínio da vereadora brasileira, no ano passado.

No evento em Coimbra estavam ainda presentes três juízes do Supremo Tribunal Federal brasileiro: Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio Mello e Alexandre de Moraes. Este último acabou também por ser hostilizado pelos estudandes e chamado de “golpista”.

Ao longo da agenda de quatro dias em Portugal, o governador encontrou-se ainda com o diretor-geral do programa Startup Portugal João Borga e com a vice-presidente executiva do Rock in Rio, Roberta Medina, com o intuito de “concretizarem um acordo firmado entre o programa e o Estado do Rio de Janeiro em 2017”.

“Este acordo prevê a instalação de uma planta operacional e a implementação de políticas públicas voltadas para a atuação de empresas inovadoras. É o Rio de Janeiro e Portugal unidos para inovar e trazer oportunidades para o nosso estado”, escreveu Wilsol Witzel nas redes sociais.

No último dia em território lusitano, o político participou numa reunião com a Galp.

Antes de ser eleito no sufrágio de outubro passado, Wilson Witzel, candidato apoiado pelo atual Presidente Jair Bolsonaro, disse à agência Lusa que pretendia reforçar o intercâmbio com Portugal. “Vamos aumentar o nosso comércio, as nossas relações de pesquisa e de intercâmbio, e de tudo o que favorecer o nosso povo com o de Portugal”, disse à Lusa o político, em outubro de 2018.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)