Rádio Observador

Tribunal

Fãs de Michael Jackson processam alegadas vítimas de abusos sexuais por “danificarem a memória” do cantor

Três grupos de fãs do 'Rei da Pop' processaram as testemunhas que acusam o cantor de abusos. Exigem a quantia simbólica de 1 euro a cada um. "Não é uma questão de dinheiro. É um assunto do coração."

Michael Jackson foi encontrado morto, em casa, a 25 de junho de 2009

Getty Images

Wade Robson e James Safechuck, as duas testemunhas que no documentário “Leaving Neverland” relatam terem sido vítimas de abusos sexuais por parte de Michael Jackson, estão a ser processadas por três grupos de fãs do cantor norte-americano. Os fãs acusam as duas alegadas vítimas de “danificarem a memória de um defunto”. Por isso, pedem a quantia simbólica de um euro a cada um, avança a CNN.

Myriam Walter, uma reformada francesa de 62 anos, preside a um grupo de fãs de Michael Jackson — o MJ Community — com cerca de 600 membros. Quando viu o documentário da HBO, chorou. “Sei que não é possível”, disse, embora nunca tenha conhecido o ídolo. Walter acusa Wade Robson e James Safechuck de “quererem ganhar dinheiro”.

Em conjunto com dois outros grupos de admiradores do ‘Rei da Pop’ — On the Line e MJ Street — Walter entregou uma queixa contra as duas alegadas vítimas num tribunal francês. Isto porque, em França, é ilegal fazer acusações criminais contra pessoas que já morreram. Os advogados de Robson e Safechuck recusaram fazer comentários.

Processados pela quantia simbólica de 1 euro. “Não é uma questão de dinheiro. É um assunto do coração”

No processo, os fãs exigem uma quantia simbólica de um euro a cada uma das alegadas vítimas. “Não é uma questão de dinheiro. É um assunto do coração“, disse Emmanuel Ludot, o advogado que representa os fãs. “A imagem do falecido está danificada, assim como a de toda a comunidade de fãs de Michael Jackson”, acrescenta o responsável.

À saída da primeira audiência em tribunal, onde não marcaram presença nem Wade Robson nem James Safechuck, a francesa Myriam Walter afirmou que Michael Jackson “tinha um grande coração”. “Não é correto fazer esta acusações contra alguém que já não está vivo e que não se pode defender.”

Os outros grupos de fãs acusam o documentário de incoerências na cronologia dos acontecimentos apresentada pelas alegadas vítimas. “Ele já foi absolvido e já houve investigações“, defende, por sua vez, Brice Najar, presidente do grupo On the Line. A primeira decisão do tribunal é conhecida a 4 de outubro.

No documentário, exibido pela HBO, Wade Robson e James Safechuck garantem ter sido vítimas de agressões sexuais repetidas vezes pelo artista quando eram menores de idade, na mansão de Jackson, perto de Los Angeles, nos anos 80 e 90. As acusações foram sempre negadas pelo próprio cantor em vida e o ‘Rei da Pop’ nunca foi condenado.

Dez anos depois da morte do cantor, com a divulgação do documentário, várias estações de rádio deixaram de tocar as canções de Michael Jackson.

Segundo o advogado que representa os fãs, a batalha judicial tem o apoio total da família Jackson, que já apelidou o filme como um “linchamento público”. A família também descreveu os acusadores de Jackson como “mentirosos admitidos”, em referência a declarações feitas por Safechuck e Robson, enquanto Jackson ainda era vivo, de que a estrela, afinal, não os tinha abusado sexualmente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)