Rádio Observador

Forças Armadas

Ministro realça medidas em curso para resolver falta de efetivos nas Forças Armadas

130

João Gomes Cravinho destacou, em artigo de opinião, ser importante existir a “prazo, um melhor conhecimento por parte da sociedade portuguesa daquilo que são as Forças Armadas”.

Em 2018, segundo o ministro, verificou-se uma recuperação para 26.545, sendo ainda cedo para prognósticos em 2019

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, realça num artigo de opinião publicado nesta quarta-feira no Público que estão a ser implementadas medidas e outras estão em curso para resolver “a qualidade e quantidade de efetivos” nas Forças Armadas.

No texto, o ministro da Defesa lembra que as “dinâmicas subjacentes à redução de efetivos nesta década são complexas e multifacetadas”, destacando ser importante existir a “prazo, um melhor conhecimento por parte da sociedade portuguesa daquilo que são as Forças Armadas”.

“Não há soluções prontas para questões sociais profissionais complexas. Aquilo que hoje sabemos permite toda a confiança no futuro das nossas Forças Armadas. Há muito trabalho em curso, e muito trabalho pela frente na prossecução dos objetivos e na realização das medidas, mas é com serenidade e determinação e coesão que devemos avançar. Este é o momento de pôr mãos à obra”, escreve o ministro.

Este artigo do ministro surge dias depois de uma entrevista do Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, almirante Silva Ribeiro, à Rádio Renascença e ao Público, na qual disse que a situação nas Forças Armadas “é insustentável” devido à falta de efetivos.

No entendimento de João Gomes Cravinho, “o debate público quanto ao número de militares que hoje servem nas Forças Armadas é uma excelente oportunidade para dar a conhecer as soluções que estão a ser desenvolvidas”.

Por isso, lembra que a questão de falta de efetivos nas Forças Armadas não é “uma realidade nova”, salientando que os números baixaram todos os anos entre 2012 (31.143) e 2017 (25.025).

Em 2018, segundo o ministro, verificou-se uma recuperação para 26.545, sendo ainda cedo para prognósticos em 2019.

João Gomes Cravinho refere que não se pode compreender os números sem olhar para o recrutamento e para os níveis de retenção dos militares nas fileiras.

O ministro reconhece também “a complexidade e multiplicidade de fatores como o distanciamento da sociedade face às Forças Armadas”.

“Foi com base neste duro retrato que o Ministério da Defesa Nacional delineou, em estreita ligação com os três ramos, uma estratégia coerente e ambiciosa para um horizonte de cinco anos, assente em 34 medidas, traduzidas em 121 ações, metas, indicadores de monitorização, datas e entidades responsáveis”, salienta o ministro, referindo-se ao Plano de Ação para a Profissionalização.

Segundo João Gomes Cravinho, a implementação de boa parte das medidas está na alçada do Estado-Maior-General das Forças Armadas e dos ramos.

Algumas das medidas, de acordo com o ministro, são “relativamente fáceis e imediatas, outras mais complexas, exigindo um período de maturação mais prolongado”.

Na opinião do ministro, este é o caminho “que já se começou a trilhar – é reformar o atual contexto profissional” das Forças Armadas em torno de três eixos: recrutar, reter, reinserir”.

Em resposta à entrevista do almirante Silva Ribeiro, o ministro da Defesa disse, poucos dias depois, que o papel do chefe do Estado-Maior das Forças Armadas é assegurar que as missões sejam cumpridas e que, se o almirante “chegasse à conclusão que não pode cumprir essas missões, então sairia”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)