O governador de Porto Rico, Ricardo Rossello, implicado num escândalo que envolve comentários homofóbicos e corrupção, anunciou esta quinta-feira que vai renunciar ao cargo no dia 2 de agosto.

Rossello, de 40 anos, é o primeiro governador a renunciar, durante o mandato, ao cargo na história moderna de Porto Rico, um território associado dos Estados Unidos com 3,2 milhões de habitantes, e há 13 anos mergulhado numa crise económica.

Na segunda-feira, dezenas de milhares de pessoas reuniram-se em mais um protesto na capital, São João, para exigir a demissão do governador da ilha caribenha. A exigência surgiu na sequência da divulgação de páginas de uma conversa ‘online’ no Telegram em que o governador e alguns membros da equipa de assessoria insultam jornalistas, artistas e políticos.

A divulgação da conversa do governador com os assessores intensificou uma crise no território, já alimentada pelas críticas de corrupção, má governação, de uma economia fraca e de uma lenta recuperação depois da devastação causada pela passagem do furacão Maria, em 2017.

A secretária de Justiça de Porto Rico, Wanda Vázquez, será a nova governadora, de acordo com a agência de notícias Associated Press (AP).