A 25 de julho, 110 anos depois do aviador Louis Blériot sobrevoar pela primeira vez o Canal da Mancha, Franky Zapata tentou o mesmo feito a bordo do veículo aéreo que criou. À data, Zapata caiu na água quando tentava atravessar os cerca de 35 quilómetros que separam o Reino Unido da França. Se na altura o piloto tentou atravessar o Canal da Mancha e falhou, agora a história é outra: à segunda tentativa o inventor e empresário francês de 40 anos percorreu a referida distância em 22 minutos.

O campeão mundial de jet ski e também estrela do desfile militar do passado dia 14 de julho em Paris atravessou o Canal da Mancha com sucesso em cima da prancha voadora, concretizando por fim um sonho na manhã de domingo. A breve viagem aconteceu a uma velocidade de 170 quilómetros por hora e fez-se a uma altitude de 15 a 20 metros acima do nível do mar. O El País fala em “proeza desportiva e tecnológica” misturada com espetáculo. Há três anos que o francês, oriundo de Marselha, estava a preparar o desafio juntamente com uma equipa de três engenheiros.

Assim que aterrou em Saint Margaret’s Bay, Franky Zapata admitiu estar cansado e a precisar de férias. Aos jornalistas presentes disse também que nos últimos cinco quilómetros da viagem de domingo, à medida que via a costa a aproximar-se, sentiu “um grande prazer”. A primeira tentativa de sobrevoar o Canal da Mancha aconteceu há cerca de 10 dias, a 25 de julho: Zapata caiu na água no momento em que tentava reabastecer a sua prancha voadora. Para esta segunda volta, Zapata e a equipa dedicaram-se ao projeto durante uma semana a tempo inteiro.

A viagem foi feita na Flyboard Air, da autoria de Zapata. A prancha voadora é uma invenção de alta tecnologia que impulsiona o passageiro no ar graças aos motores a jato que funcionam com óleo de parafina. Pode atingir uma altitude de até 3.000 metros e uma velocidade de quase 200 quilómetros por hora. Está equipado com cinco motores que regulam o impulso e a estabilidade, já antes escreveu o Observador.

Em plena celebração do Dia de França, o homem natural de Marselha foi convidado a mostrar as capacidades do seu “moderno e inovador exercício”, escreveu Emmanuel Macron no Twitter. Franky Zapata voou a 30 metros do desfile militar no seu Flyboard Air, que o governo francês ajudou a financiar.