Rádio Observador

Sporting

A agressão a Miguel Albuquerque: “Avançaram em grupo desferindo vários murros na cabeça, socos e pontapés”

870

Miguel Albuquerque, diretor das modalidades do Sporting, fala em "ato cobarde". Diz que foi atacado "por cerca de 15 adeptos do Benfica" e afirma que não vai deixar de "ajudar o clube".

Miguel Albuquerque/Facebook

Frederico Varandas denunciou após o final da Supertaça, no domingo, que um dos diretores do clube tinha sido agredido “por 15 cobardes selvagens”. Ainda na mesma noite, o Observador noticiou que foi Miguel Albuquerque, diretor geral das modalidades, que explicou depois o que aconteceu.

“Fui cobardemente atacado por cerca de 15 adeptos do Benfica devidamente identificados com camisola desse clube”, começou por escrever o dirigente leonino no Facebook. Albuquerque relata que os adeptos o reconheceram e “avançaram em grupo desferindo vários murros na cabeça, socos e pontapés”.

O diretor fala em “ato cobarde” e “traição” e agradece as mensagens de apoio que tem recebido. Conclui ainda: “Não será com atos destes que me vão desviar de continuar a ajudar o Sporting Clube de Portugal diariamente a lutar pelos seus objetivos e a defender o clube!”.

No final do jogo da Supertaça de Futebol, no Estádio do Algarve e quando me dirigia para o meu carro, fui cobardemente…

Posted by Miguel Albuquerque on Sunday, August 4, 2019

“Hoje um diretor do Sporting foi agredido aqui por 15 cobardes selvagens”, tinha denunciado o líder verde e branco na zona mista. De acordo com as informações recolhidas pelo Observador, Miguel Albuquerque foi agredido quando se deslocava para a sua viatura que estava na zona do parque VIP do Estádio Algarve. Recebeu assistência logo no local pelos ferimentos sofridos.

“Estiveram aqui os presidentes dos clubes, o primeiro-ministro, o Presidente da República, o Secretário de Estado do Desporto e ainda o presidente da Federação. Que vejam o horrível do futebol. Um diretor do Sporting foi agredido por 15 cobardes e selvagens que não podem estar no desporto”, destacou Frederico Varandas antes de abandonar a zona mista, prosseguindo: “Isto é uma vergonha, há que ter coragem de banir estes selvagens todos”.

“O nosso treinador e o treinador do Sporting já deram uma resposta. As duas equipas souberam-se respeitar em campo e arbitragem também correspondeu. Foi um espetáculo digno. Agora compete a nós, aos dirigentes, à comunicação social e a todos os envolvidos neste espetáculo combater estes maus exemplos. Se for verdade [a agressão a Miguel Albuquerque] lamento muito”, comentou ainda na zona mista do Estádio Algarve Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica.

Sobre o encontro, o presidente do Sporting admitiu a tristeza pelo resultado mas destacou que não está preocupado com o futuro do clube e “fugiu” às perguntas sobre uma possível saída de Bruno Fernandes durante a semana. “Sou adepto do Sporting desde que nasci, é um momento muito doloroso para os sportinguistas. A estrutura sabe o que está a fazer, sabe o que é futebol e que foi injusto o que aconteceu aqui hoje. Se estou triste? Estou. Se estou preocupado? Não”, disse.

“É uma noite dura para todos os sportinguistas. O que se passou aqui hoje é puro futebol. É um resultado extremamente enganador, que às vezes acontece. Temos de perceber que, muitas vezes, o futebol não é justo. Se repetirmos aquilo que aconteceu até aos 60 minutos, uma delas perde-se e as outras seis ganha-se. Por muito justo ou injusto que seja, nunca podemos perder o controlo emocional. Uma equipa profissional nunca pode perder o controlo emocional, seja em que circunstância for”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)