É um dos efeitos mais recentes do caso que envolve o nome de Plácido Domingo. A Orquestra de Filadélfia retirou o convite feito ao tenor e maestro para atuar no concerto de abertura da temporada, agendada para o próximo 18 de setembro. A notícia foi avançada ao final da tarde de terça-feira pela Associated Press, que de manhã expôs as acusações de assédio sexual que ligam a lenda da ópera a pelo menos nove mulheres. Em comunicado, a Orquestra, a primeira organização a manifestar-se e a tomar uma decisão sobre o polémico assunto, justifica que está “empenhada em oferecer um ambiente seguro, respeitável e apropriado para a Orquestra e para o pessoal, para artistas e compositores, e para o público e a comunidade”.

As acusações partem de oito cantoras — das quais apenas uma, Patricia Wulf, permitiu a publicação do seu nome — e de uma bailarina, que trabalharam com Plácido Domingo desde o início da década de 1980 e 2002 e que admitem ter estado “desconfortáveis” com os seus avanços sexuais, acusando ainda a lenda da ópera de ter prejudicado a sua carreira quando recusaram as suas investidas. Um caso que promete dar ainda muito que falar.