Rádio Observador

História

Descoberta mensagem em garrafa com 50 anos no Alasca. Autor chorou quando soube

113

O marinheiro russo Anatoliy Botsanenko tinha 36 anos quando, a bordo do Sulak, em plena Guerra Fria, mandou uma mensagem ao mar. Agora encontraram a garrafa na costa e o autor foi localizado.

A mensagem continha uma saudação do marinheiro russo, que escreveu uma morada para que quem encontrasse a garrafa pudesse responder

Tyler Ivanoff/Facebook

Tyler Ivanoff estava “apenas à procura de lenha” na costa do Alasca quando encontrou algo muito “maior”. Não em tamanho, já que o que descobriu foi apenas uma garrafa. Mas com uma história: tinha 50 anos e uma mensagem no interior.

Estava à procura de lenha. Deparei-me por acaso com a garrafa e vi que, lá dentro, havia um bilhete. Os meus filhos ficaram muito entusiasmados. Pensaram se seria uma mensagem de um pirata ou um mapa do tesouro”, relatou Ivanoff.

O homem abriu a garrafa e deparou-se com uma mensagem escrita em russo: “Percebi que era russo porque estudei a língua no liceu e na universidade”.

Tyler Ivanoff pouco depois de descobrir a garrafa

A mensagem estava bem preservada mas Tyler Ivanoff decidiu pedir ajuda nas redes sociais para a traduzir. E, uma vez que uma mensagem circula, hoje em dia, mais rapidamente na internet do que uma garrafa no mar, o post teve mil partilhas em apenas três dias. “Encontrei uma mensagem numa garrafa hoje. Algum amigo que traduz russo por aí?”, escreveu.

I found a message in a bottle today. Any friends that are Russian translators out there?

Posted by Tyler Ivanoff on Monday, August 5, 2019

Finalmente, a história chegou à Rússia e várias pessoas traduziram o bilhete: remonta a 20 de junho de 1969, é uma saudação de um marinheiro russo da Guerra Fria e o autor escreveu uma morada para que quem encontrasse a garrafa pudesse responder. 

Mas a história não ficou por aqui. Na verdade, estava apenas a começar. Os jornalistas do canal de televisão Russia 1 decidiram procurar o autor da mensagem. E sim, conseguiram encontrá-lo. Em 1969, esta mensagem foi escrita pelo capitão Anatoliy Prokofievich Botsanenko.

Os jornalistas visitaram o antigo marinheiro e mostraram-lhe o bilhete. O momento foi partilhado no site do canal. Ao início, Anatoliy teve dúvidas. Mas depressa reconheceu a própria letra.

Parece a minha letra. A sério… parece. Mas não tenho a certeza. Esperem… Claro! East industry fishing fleet! E-I-F-F! Sim! Eu sempre escrevi assim!”, exclamou o homem, em lágrimas.

Anatoliy Botsanenko explica que mandou a garrafa ao mar quando tinha 36 anos a partir do Sulak, um navio cuja construção o próprio supervisionou em 1966 — e nele navegou até 1970. O homem acrescenta ainda que, naquela altura, chegou a ser o mais jovem capitão no Pacífico.

Anatoliy Botsanenko tinha 36 quando mandou a garrafa ao mar

Botsanenko também mostrou aos jornalistas lembranças do navio, incluindo um autógrafo da mulher de um famoso espião russo e garrafas de álcool do Japão. O capitão emocionou-se quando o jornalista lhe disse que o Sulak foi vendido para sucata nos anos 90.

Já Tyler Ivanoff, o responsável pelo “desenterrar” da história, afirma que a mensagem o inspirou a escrever cartas. “Se calhar é algo que possa fazer no futuro com os meus filhos. Enviar uma simples mensagem numa garrafa e ver onde vai parar”, diz.

Esta é a segunda notícia no espaço de um mês que uma mensagem enviada há 50 anos foi encontrada. A anterior tinha sido descoberta na Austrália.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
193

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)