Rádio Observador

Sociedade

Foi descoberto o autor da mensagem encontrada numa garrafa 50 anos depois

Foi escrita em 1969 do alto mar e encontrada agora por rapaz australiano. Dois dias depois de a história correr mundo, sabe-se quem a escreveu: um migrante inglês de 13 anos que está... em alto mar.

A carta datava de 1969 e foi assinada por um jovem inglês de 13 anos, Paul Gilmore, que contava que estava a bordo de um navio de migrantes

ABC

A 17 de novembro de 1969, um rapaz inglês de 13 anos escreveu uma carta e lançou-a ao mar dentro de uma garrafa. Contou que estava a bordo de um navio de migrantes e fez um pedido: quem encontrasse a mensagem deveria contactá-lo. Deixou uma morada e um nome: Paul Gilmore. Foram precisos 50 anos, mas a carta foi finalmente encontrada e, depois de tanto a garrafa como a história percorrerem o mundo, o autor também foi descoberto.

Paul e Jyah Elliot, pai e filho, encontraram a garrafa na terça-feira enquanto pescavam ao largo da costa australiana. Decidiram encontrar Paul Gilmore e divulgaram a história e conseguiram o que quer

A ABC anunciou esta quinta-feira que localizou a irmã de Paul Gilmore, Annie, através de familiares no Reino Unido e na Austrália e também pela morada com a qual Paul assinou a carta. A irmã do rapaz — hoje com 63 anos — disse que Gilmore está atualmente em alto mar. Ou seja, ainda não sabe que a sua carta perdida foi encontrada. “Ele vai adorar. Isto é fantástico, isto é incrível”, comentou Annie.

Paul e a família seguiam a bordo do Fairstar, um barco que ficou famoso nos anos 60 por transportar migrantes do Reino Unido para a Austrália. Os Gilmore viveram na Austrália até 1973 e depois voltaram para casa, no Reino Unido.

Sou de Inglaterra e estou a viajar para Melbourne. Estamos a 1.000 milhas de Fremantle, oeste da Austrália. Por favor respondam”, lê-se na mensagem.

O rapaz terá deitado a garrafa ao Oceano antes de chegar a Melbourne. Annie descreve a viagem no navio como uma “aventura”. “Era a primeira vez que íamos ao estrangeiro e mal podíamos esperar para ter uma nova vida na Austrália”, lembrou a mulher.

Jyah, de apenas nove anos, encontrou a garrafa numa duna perto da Praia Talia na terça-feira, enquanto o seu pai pescava. Os pais do rapaz contaram que Jyah estava “maravilhado” com a descoberta.

How incredible is this?! They found a message in a bottle! ????????Paul Elliott & his son Jyah found a 50-year-old message…

Posted by ABC Adelaide on Tuesday, July 16, 2019

E esta pode não ser a única garrafa de Paul a ser descoberta. Annie conta que se lembra de ver o irmão mais velho a escrever cartas e a metê-las em garrafas. “Ele enviou seis. Por isso, é bom que uma tenha sido encontrada”, comentou. David Gilmore, que na altura tinha quatro anos, também tem bem presente na memória a imagem do seu irmão a escrever.

Estou a olhar para a mensagem agora e… sim. Consigo perceber que se trata da letra do meu irmão. Estou maravilhado”, expressou David.

Jyah já tinha escrito e enviado uma carta para a morada referida na mensagem, antes ser noticiado que o autor foi descoberto. A família Gilmore afirmou que, quando Paul regressar da sua viagem, Jyah vai receber uma resposta. E, desta vez, a carta pode não demorar tanto a chegar ao seu destinatário.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)