A utilização continuada de cigarros eletrónicos que usam vapor de água tem impacto no funcionamento do sistema cardiovascular, indica um estudo da revista científica “Journal of Radiology”, citado pela CNN. Quem fuma este tipo de cigarros continuamente corre o risco de desenvolver doenças como aterosclerose, mesmo que estes não tenham nicotina.

Citado pelo mesmo jornal, o autor do estudo, Felix W. Wehrli, professor de ciência radiológica e biofísica na faculdade de Medicina da Universidade da Pensilvânia, explica que, apesar de, “após alguns minutos, tudo ficar normalizado” para quem não fuma regularmente, o mesmo não acontece na utilização continuada destes cigarros. Depois de analisar 31 pessoas, o académico afirma que encontraram indícios de início de doenças cardiovasculares.

O estudo concluiu que os sujeitos, apenas depois de utilizarem uma vez um destes cigarros viram o fluxo sanguíneo alterado na artéria femoral da perna. Os pesquisadores realizaram uma análise para ver os resultados na função vascular antes e depois dos sujeitos usarem um cigarro eletrónico.

Segundo médicos citados de um estudo da faculdade de medicina da Universidade de Massachusetts divulgado em maio, a utilização de cigarros eletrónicos está a aumentar e “os dados que mostram potenciais riscos, também”. “Sabe-se pouco sobre os potenciais riscos tóxicos” destes cigarros, referia o estudo.

Os verdadeiros efeitos destes cigarros podem só ser descobertos “daqui a vários anos”, diz Robert Jackler, fundador do departamento de investigação de Stanford para o impacto da publicidade do tabaco. Apesar de Jackler referir que “não tem dúvidas” de que os os cigarros eletrónicos a vapor “são mais seguros do que os cigarros tradicionais”, diz que “isso não quer dizer que são seguros”.