Rádio Observador

António Costa

Costa no quilómetro zero da EN2 para se inspirar para as eleições

192

"Sempre que se inicia uma nova etapa é bom voltar ao quilómetro zero para ganhar inspiração para o que há a fazer nos quilómetros a seguir”, destacou o PM. Costa promete um “ciclo de repovoamento”.

O primeiro-ministro dedicou o dia de terça-feira à EN2, que atravessa o país entre Chaves e Faro

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

António Costa partiu no final da tarde de terça-feira do quilómetro zero da Estrada Nacional (EN2) para “ganhar inspiração” para a nova etapa que se segue e redescobrir “um tesouro escondido” para lá das áreas de serviço das autoestradas.

“Estamos brevemente a iniciar uma nova etapa na caminhada que iniciámos há quatro anos. E sempre que se inicia uma nova etapa é bom voltar ao quilómetro zero para ganhar inspiração para o que há a fazer nos quilómetros a seguir”, afirmou António Costa, que dedicou o dia à EN2, que atravessa o país entre Chaves e Faro, recusando-se a falar sobre outros assuntos da atualidade nacional.

O início da viagem aconteceu ao quilómetro zero, em Chaves, e teve uma paragem ao quilómetro 81, em Santa Marta de Penaguião, cujo presidente de câmara é também o líder da Associação de Municípios da Rota da N2.

O também primeiro-ministro elogiou o projeto da Rota da N2, lançado em 2014, e disse que é “preciso relembrar que há mais país para além do país” que se vê “nas áreas de serviço”. A viagem, na companhia da mulher, será feita de Norte para Sul e de Sul para Norte.

A construção de uma rede de autoestradas foi fundamental para que o país se encurtasse nas suas distâncias, mas, ao mesmo tempo, afastou-nos de um país que nós temos que recuperar”, frisou.

E depois de um “ciclo de desertificação”, António Costa quer iniciar um “ciclo de repovoamento” e para que isso aconteça defendeu que “é fundamental criar emprego a partir das oportunidades que os territórios oferecem”.

Na sua opinião, o que “não faltam são recursos que sejam geradores de emprego”, desde a agricultura, o vinho, as termas, a riqueza mineral, o património cultural e natural ou o turismo. “São todas essas riquezas que nós temos que descobrir e saber valorizar porque é a forma de desenvolver o país de forma mais harmoniosa”, frisou.

Costa destacou ainda o turismo como uma das componentes fundamentais da “base económica” do país e frisou que o turismo tem de ser “de 365 dias por ano e que vá aos 308 concelhos do país”. “Este grande eixo que atravessa o país como se fosse a sua espinha dorsal demonstra bem a nossa diversidade e o enorme potencial de desenvolvimento dos recursos próprios”, salientou.

O primeiro-ministro contou que foi um dos leitores das crónicas que o escritor Afonso Reis Cabral escreveu ao longo dos 24 dias em que percorreu a pé a EN2, de Chaves até Faro, e confessou que os textos despertaram a sua atenção para a via.

“Percorrer a N2 será seguramente uma boa fonte de inspiração, porque não há nada como vir ao território, encontrar as nossas gentes, ver e viver a experiência que o Afonso viveu para perceber que há, de facto, uma oportunidade extraordinária que nós não podemos desaproveitar”, frisou.

No final de setembro será, segundo António Costa, apresentada a marca “Estrada Nacional 2” que defendeu que é preciso promover e divulgar internacionalmente “para valorizar todas estas riquezas”.

Por fim, elogiou os autarcas que se uniram na Associação de Municípios e que o ajudaram a “redescobrir este tesouro escondido que é o da N2”.

Afonso Reis Cabral, que hoje se juntou a António Costa em Santa Marta de Penaguião para uma conversa à volta na EN2, falou sobre a sua caminhada de 24 dias que resultou no livro “Leva-me Contigo”, que irá ser lançado em setembro.

O autor destacou “as pessoas” da N2, as que conheceu, as que o acolheram em casa para pernoitar, e as que lhe deram comida. “É mais do que uma estrada, é um rio no Interior do país”, referiu.

O autarca de Santa Marta de Penaguião, Luís Machado, disse que a N2 é o “maior projeto de coesão nacional” do país, que junta mais de 1.000 parceiros e mostra “um país diferente” e complementar ao turismo de sol e praia. “Ajuda a equilibrar o país, a perceber o país por inteiro, a conhecer o país por inteiro e ajuda a crescer a todos ao mesmo tempo”, afirmou o autarca.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

O centro-direita tem solução? /premium

Luís Rosa

O futuro do centro-direita deverá passar pela federação de liberais, conservadores e dos que desejam uma alternativa ao PS. Sem uma oposição forte, é a democracia que fica posta em causa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)