Rádio Observador

Crimes Sexuais

Dave Chappelle sob críticas após stand-up que descredibiliza vítimas de Michael Jackson

"Sabes o que mais, caso ele tenha feito isto... é o Michael Jackson. Eu sei que mais de metade das pessoas nesta sala foram molestadas na vida. Mas não foi pelo maldito Michael Jackson, foi?", disse.

Dave Chappele interpretou, no ano passado, o personagem George Stone, de alcunha Noodles, no filme "A Star Is Born"

WireImage

O ator e comediante norte-americano Dave Chappelle está a ser fortemente criticado devido ao conteúdo do seu novo stand-up comedy, que recentemente se estreou na plataforma de streaming Netflix.

Em “Sticks & Stones”, Chappelle diz não acreditar e faz piadas sobre as alegadas acusações de abuso sexual de menores do músico norte-americano Michael Jackson, que morreu em 2009. O comediante fala especificamente sobre o documentário “Leaving Neverland”, que apresenta as denúncias de James Safechuck e Wade Robson — alegadas vítimas de abuso –, além de abordar em detalhe outros casos.

Sabes o que mais, caso ele tenha feito isto… é o Michael Jackson. Eu sei que mais do que a metade das pessoas nesta sala foram molestadas nas suas vidas. Mas não foi pelo maldito Michael Jackson, foi?” disse Dave Chappelle na peça “Sticks & Stones”.

Chapelle continua ainda, na apresentação, a criticar as descrições dos casos feitas pelo documentário da HBO, dizendo que são muito pormenorizadas. O comediante justificou não acreditar nas acusações de Safechuck e Robson porque o ator Macaulay Culkin — intérprete de Kevin no filme “Sozinho em casa” –, que conviveu com Michael Jackson quando criança, nunca fez nenhum tipo de acusação contra ele.

Entre as piadas Chapelle diz que o público da peça irá considerá-lo um “culpador de vítimas” e compara as alegações contra Jackson com os casos de diversas denúncias contra o cantor R. Kelly, só que neste caso, ele acredita nelas.

Caso alguém viesse até mim e dissesse: ‘Dave, Dave, Dave, Chris Brown acabou de bater à Rihanna!’, eu reagiria ‘E então, o que ela fez?’; ‘Dave! Michael Jackson esteve a abusar de crianças!’, ‘E então, o que as crianças estavam a vestir na altura?'”, simulando um diálogo fictício na peça.

Robson e Safechuck disseram ao The Guardian que Chapelle “pode falar o que quiser. Isso revela coisas sobre ele, não sobre nós”. O advogado de Robson, Vince Finaldi, lamentou “que ele tenha escolhido esta plataforma para envergonhar vítimas de abuso sexual, espalhar a ignorância sobre o assunto e a maneira como é perpetuado em crianças, numa tentativa de fazer ressurgir a sua carreira”.

“Sticks & Stones” é o terceiro especial de Dave Chappelle para a plataforma de streaming, tendo os dois primeiros programa sido também criticadas pelo suposto conteúdo homofóbico e transfóbico. O comediante previu a enxurrada de críticas que o stand-up comedy causaria e decidiu insultar o público que “escolheu clicar na cara” do artista.

Dave Chappele interpretou, no ano passado, o personagem George Stone, de alcunha Noodles, no filme “A Star Is Born”, espécie de mentor e amigo do personagem de Bradley Cooper.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)