Rádio Observador

Alimentação

Adolescente fica cego depois de fazer alimentação à base de batatas fritas

804

A partir da escola primária, o jovem começou apenas a comer batatas fritas e, ocasionalmente, pão, fatias de presunto e salsichas. A sua má alimentação levou à cegueira e a problemas de audição.

Os exames mostraram que o adolescente desenvolveu neuropatia ótica nutricional, ou dano do nervo ótico, provocada por deficiências nutricionais

Getty Images

Um rapaz britânico de 17 anos ficou cego depois de ter feito uma alimentação apenas à base de batatas fritas e, ocasionalmente, outros produtos como pão, presunto e salsichas, revelou um relatório publicado pelo Colégio Americano de Médicos. De acordo com este documento, a visão do adolescente foi-se deteriorando gradualmente ao ponto de chegar à cegueira total, uma vez que desenvolveu problemas neurológicos provocados por deficiências nutricionais.

Quando saiu da escola primária, o jovem, cuja identidade não foi revelada, passou a comer essencialmente batatas fritas e ocasionalmente pão e fatias de presunto ou salsichas. Aos 14 anos, teve de ser submetido a alguns exames, uma vez que se sentia constantemente cansado e mal-disposto, revela o estudo, que acrescenta que o rapaz era um “comedor exigente” e que não tomava medicamentos. Os exames revelaram que o jovem tinha anemia macrocítica e défice de vitamina B12 e os médicos receitaram alguns suplementos. No entanto, e algum tempo depois, o adolescente deixou de fazer o tratamento e manteve a sua alimentação.

Os problemas não terminaram aqui. Aos 15 anos, o adolescente de Bristol, no Reino Unido, começou a desenvolver problemas de visão e de audição, mas os médicos não conseguiam encontrar uma causa, uma vez que os exames que faziam apresentavam valores normais. Nos dois anos seguintes, a visão do jovem continuava a piorar. Quando tinha 17 anos, foi ao oftalmologista e fez exames, que revelaram que tinha uma visão de 20/200 em ambos os olhos, sendo assim considerado “legalmente cego”.

Não comia nenhuma fruta ou vegetal

Os exames mostraram que o adolescente desenvolveu neuropatia ótica nutricional (NON), ou dano do nervo ótico, provocada por deficiências nutricionais. Este tipo de problemas pode ser causado pelo consumo de drogas, pela má absorção de alimentos, por má alimentação ou pelo consumo excessivo de álcool. “As causas puramente alimentares são raras nos países desenvolvidos”, explica o estudo. Além disso, o jovem continuava também com baixos níveis de vitamina B12 e de cobre, selénio e vitamina D.

Denize Atan, uma das médicas que tratou do jovem, revelou que a sua dieta era “essencialmente uma dose diária de batatas fritas do restaurante local” e que o jovem não comia “nenhuma fruta ou vegetal”.

Ele explicou que tinha aversão a certas texturas de comida que não conseguia tolerar e, por isso, as batatas fritas eram o único tipo de comida que queria e que achava que podia comer”, acrescentou a especialista, citada pela BBC.

O caso vem revelar um facto pouco conhecido da má alimentação: além de estar associada à obesidade e a doenças cardíacas, pode também “danificar permanentemente o sistema nervoso, particularmente a visão”, revela o estudo. Este problema em particular podia ser reversível se tivesse sido detetado mais cedo. O jovem está agora a tomar mais suplementos destinados a impedir que a sua visão piore ainda mais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)